COISAS NOVAS ACERCA DE COISAS VELHAS: OS AZULEJOS DE FACHADA DA FÁBRICA ROSEIRA DE LISBOA

14 de Janeiro de 2015 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

Todos juntos (os amáveis ouvintes e eu próprio) remontaremos às origens do azulejamento das fachadas em Lisboa revendo exemplos com características arcaicas.
Falaremos dos primeiros padrões industriais hipoteticamente atribuíveis à Fábrica Roseira.
Visitaremos uma exposição dos azulejos fabricados na década de 1870.
Viajaremos até ao Brasil…

Convidado:
João Manuel Mimoso [Laboratório Nacional de Engenharia Civil]

João Manuel Mimoso é licenciado em engenharia mecânica; e investigador coordenador do Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Admirador curioso das fachadas azulejadas.

_____________________________________________________

NEW STUFF ABOUT OLD STUFF: THE AZULEJOS FROM THE FAÇADE OF THE ROSEIRA FACTORY, IN LISBON

January 14, 2015 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Together, we (the kind listeners and myself) will revisit the origins of façade tiling in Lisbon and review examples with arcaic features.
We will talk about the first industrial patterns hypothetically ascribable to the Roseira Factory.
We will visit an exhibition displaying azulejos manufactured during the 1870s.
We will travel to Brazil…

Invited speaker:
João Manuel Mimoso [Laboratório Nacional de Engenharia Civil]

João Manuel Minoso is graduated in Mechanical Engineering; and a coordinating researcher at the Laboratório Nacional de Engenharia Civil – LNEC (National Laboratory for Civil Engineering). He is curious admirer of tile-covered façades.

3 thoughts on “COISAS NOVAS ACERCA DE COISAS VELHAS: OS AZULEJOS DE FACHADA DA FÁBRICA ROSEIRA DE LISBOA

  1. Gostaria de saber se, para além dos padrões do mostruário da Fábrica Roseira que existem no Museu do Azulejo, foram identificados outros na investigação agora apresentada. Muito obrigada. Ana Almeida

    • Os mostruários que são hoje parte integrante da colecção do Museu Nacional do Azulejo correspondem a uma fase mais tardia de produção da Fábrica Roseira. A apresentação de João Manuel Mimoso centrou-se nos primeiros exemplos de azulejos produzidos por esta fábrica, e que mostram um vasto conjunto de padrões, distintos daqueles que são visíveis no mostruário mencionado, revelando assim uma enorme diversidade de produção.

  2. Pingback: AzLab

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s