OLHAI LISBOA A CORES

— Please scroll down for English version — ]

Resumo
O AzLab#24, intitulado Olhai Lisboa a Cores, teve como convidados Tiago Borges Lourenço, Helena Lopes e Carla Garvão, e contou com a moderação de Rui Matos.

Dando início à sessão, Tiago Borges Lourenço apresentou várias vistas de Lisboa, aplicadas na cidade, em locais tão diferenciados como restaurantes, hotéis ou miradouros, agrupando-as em três categorias diferentes: interpretações de autor, vistas antigas e vistas modernas. Deixou para o final o conjunto de cinco leitores panorâmicos concebidos por Fred Kradolfer para quatro miradouros de Lisboa: São Pedro de Alcântara (1961), Castelo de São Jorge (1963), Senhora do Monte (1963 e 1965) e Monte Agudo (1965).

Por sua vez, Helena Lopes abordou a intervenção nestes leitores panorâmicos, por parte da Câmara Municipal de Lisboa, que ainda está a decorrer, destacando questões como a importância de restaurar todos os painéis e não apenas um, a investigação que foi feita para conhecer melhor este conjunto e todos os factores que foram tidos em conta para a elaboração do caderno de encargos. Antes dos painéis de Fred Kradolfer haviam sido também intervencionados os azulejos do Miradouro de Santa Luzia, cujo prolongamento (2ª fase) está previsto para 2017.

De seguida, Carla Garvão, a responsável pela intervenção de conservação e restauro, referiu-se às principais causas de degradação dos azulejos, entre as quais os factores climatéricos e humanos, a posição dos painéis (inclinados de forma a serem consultados com mais comodidade) e a movimentação das estruturas onde estão aplicados (placas de pedra). A convidada mencionou também as várias etapas pelas quais os painéis irão passar, sendo que, com excepção do leitor panorâmico do Castelo de São Jorge (com preenchimento das lacunas de vidrado em tonalidades próximas), todos assentam nos mesmos critérios de intervenção, optando-se pela reintegração cromática para o preenchimento de lacunas.

Seguiu-se o período de debate, moderado por Rui Matos, que convidou Rosário Salema de Carvalho para se juntar aos convidados. A animada conversa que se seguiu abordou múltiplos aspectos dos quais destacamos a forma como os habitantes locais vivenciam a recuperação e a “devolução” à cidade dos miradouros, algumas opções de intervenção, a necessidade de documentar, sinalizar e comunicar a obra, assim como comparações com outras vistas de Lisboa.

____________________________________________________

LOOK AT LISBON IN COLOUR


Session Overview
The AzLab#24, entitled Look at Lisbon in Colour, had as guests Tiago Borges Lourenço, Helena Lopes and Carla Garvão, and was moderated by Rui Matos.

First, Tiago Borges Lourenço presented several views of Lisbon, applied in the city, in places as different as restaurants, hotels or viewpoints, grouping them into three different categories: interpretations of the author, ancient views and modern views. Tiago left for the end the set of five panoramic readers designed by Fred Kradolfer for four viewpoints of Lisbon: São Pedro de Alcântara (1961), Castelo de São Jorge (1963), Senhora do Monte (1963 e 1965) and Monte Agudo (1965).

Helena Lopes talked about the intervention in these panoramic readers, by the Lisbon City Council, which is still ongoing. She highlighted issues such as the importance of restoring all panels and not just one, the research that has been done to better understand this set and all factors that were taken into account in the preparation of the contract specifications. Before the panels of Fred Kradolfer, the azulejos of the Santa Luzia Viewpoint were also intervened, whose extension (2nd phase) is planned for 2017.

Responsible for the intervention of conservation and restoration, Carla Garvão referred the major causes of degradation of the azulejo, including climacteric and human factors, the position of the panels (tilted in order to be consulted with more convenience), and the movement of structures where the panels are applied (stone plates). Carla also mentioned the various steps by which the panels will go through, being that, with the exception of the panoramic reader of the Castelo de São Jorge (with filling of glazed gaps in nearby tonalities), all are based on the same criteria for the intervention, opting for a chromatic reintegration to fill the gaps.

There was a debate period, moderated by Rui Matos who invited Rosário Salema de Carvalho to join the guests. The lively discussion that followed addressed many aspects of which we highlight the way how the locals experience the recovery and the “return”of the viewpoints to the city, some options of intervention, the need to document, signal and communicate the work, as well as the comparison with other views of Lisbon.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s