AZULEJO: UM MANTO ARQUITECTÓNICO ENTRE O BRILHO E A COR

[​ ​—​ ​Please​ ​scroll​ ​down​ ​for​ ​English​ ​version​ ​—​ ​]

Resumo

Cor é luz. Assim teve início esta sessão dedicada à cor, através da qual o mundo nos é revelado nas suas diferentes formas, volumes e texturas. João Pernão dividiu a sua apresentação em vários “módulos”, os iniciais incidindo sobre os conceitos de cor, luz e brilho, que depois aplicou  a casos práticos de estudos de cor para arquitectura detendo-se, naturalmente, com maior atenção no azulejo.

Um dos aspectos mais destacados foi o brilho. Como projectou num dos seus slides, 

“o brilho é uma característica muito especial da superfície, capaz de alterar a sua cor própria, de reproduzir outras da sua envolvente, e ainda de trazer a luz de forma dinâmica aos espaços, promovendo uma relação diacrónica entre o observador e as superfícies no campo perceptivo visual.” 

O azulejo destaca-se neste contexto, através do vidrado, como um material usado há mais de cinco séculos e é efectivamente capaz de alterar a percepção dos espaços, seja no interior seja em contexto urbano. 

Um dos exemplos em análise foi o das fachadas com revestimento de padrão, mostrando como a percepção da cor e a identificação dos motivos se altera em função da distância – um padrão pode ter múltiplos elementos de diversas cores que se vão perdendo à medida que nos afastamos, até só vermos ao longe uma fachada monocroma. Esta capacidade “camaleónica” da azulejaria permite, do mesmo modo, reflectir a envolvente integrando-se na paisagem – facto a que João Pernão fez menção particularmente nos casos de reabilitação arquitectónica de fachadas.     

Explicando os sistemas de medição de cores que usa, João Pernão concluiu a sessão com os resultados de um estudo desenvolvido com os seus alunos na Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa para medir o azul do céu. Os resultados obtidos, cruzados com outras medições de azulejos, permitiram concluir que  o azul do céu é o mesmo dos azulejos barrocos… quando os pintores trouxeram o céu para o interior dos templos e palácios! Esta ideia, e muitas outras, dominou o espaço de debate já no final da sessão.

____________________________________________________

AZULEJO: AN ARCHITECTURAL MANTLE BETWEEN BRIGHTNESS AND COLOUR


Session overview

Colour is light. And so it began this session dedicated to colour, through which the world is revealed to us in different shapes, volumes, and textures. João Pernão has divided his presentation into several “chapters”, the first ones focusing on the concepts of colour, light and brightness, which he then applied to practical cases of colour studies for Architecture, with particular emphasis on the tile.

One of the most outstanding aspects was the brightness. As (he) projected on one of his slides,

“brightness is one of the surface’s very special features , capable of altering its colour, reproducing others of its surroundings, and also bringing light to spaces in a dynamic way, by promoting a diachronic relationship between the observer and the surfaces in the vision perceptual field.”

Through the glazing, the tile stands out in this context as a material used for more than five centuries and is effectively able to change the perception of spaces, whether in the interior or in an urban context.

One of the examples analysed was that of façades with a pattern covering, showing how the perception of colour and the identification of motifs changes with distance – a pattern can have multiple elements of different colours that are lost as we move away, until we only see a monochromatic façade in the distance. The tile “chameleonic” ability allows to reflect the surroundings by integrating itself into the landscape, a fact that João Pernão mentioned particularly in cases of architectural rehabilitation of façades.

Explaining the colour measurement systems he uses, João Pernão concluded the session with the results of a study developed with his students at the Faculty of Architecture (University of Lisbon) to measure the blue of the sky. The results obtained, crossed with other measurements of tiles, allowed us to conclude that the blue of the sky is the same as the baroque tiles … when the painters brought the sky into the temples and palaces! This idea, and many others, lead the debate at the end of the session.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s