HEIN SEMKE: CERÂMICA NA ARQUITECTURA

25 de Janeiro de 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English version — ]

Resumo

Estudando há vários anos o percurso artístico de Hein Semke, com particular ênfase na área da cerâmica, Patrícia Nóbrega apresentou, no AzLab#28 a comunicação Hein Semke: cerâmica na arquitectura, sobre a obra para integração arquitectónica do artista alemão.

Começando por traçar uma breve biografia de Semke, destacou as recentes exposições no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (2015) e no Museu Nacional do Azulejo (2016), que muito contribuíram para a revalorização da obra multidisciplinar do artista.

Salientando a importância da sua formação em escultura, Patrícia Nóbrega começou por se referir às placas cerâmicas de pequena e média dimensão para aplicação arquitectónica, situando a colaboração com arquitectos e a decoração de interiores a partir da década de 1950.

A primeira obra a ser abordada, e certamente uma das mais emblemáticas mas também a única que se conserva íntegra no espaço para o qual foi concebida, foi a da casa Lino Gaspar, no Alto do Lagoal, em Caxias. O experimentalismo, as cores vibrantes ou a exploração de texturas, que tanto caracterizaram o seu trabalho, são expressas de um modo ímpar nas formas evocativas da fauna e da flora submarinas deste painel.

O revestimento para o Salão de Inverno do Hotel Ritz, um convite do arquitecto Porfírio Pardal Monteiro, e todas as vicissitudes de que o mesmo foi objecto, desde a encomenda até à doação de três originais à Reitoria da Universidade de Lisboa, e terminando na recente desfragmentação do conjunto, ocuparam parte da sessão, constituindo um dos aspectos muito discutido no debate final.

A sessão terminou com a análise das intervenções para o Hotel Garbe (Armação de Pêra) e Hotel da Baleeira (Sagres), ambas desaparecidas, e com uma referência ao painel Cristo dos Pescadores, oferta de Semke ao Presidente da República Mário Soares, que se encontra actualmente no jardim da Casa Museu João Soares, em Leiria.

Do debate que se seguiu, moderado por Rosário Salema de Carvalho, destacamos as questões relativas ao desaparecimento de boa parte da obra in situ de Hein Semke, algumas particularidades técnicas, parte das quais descritas no seu diário, e a importância dos locais  e do tipo de fornos onde cozia as peças.

Uma nota final para assinalar os três anos de existência do AzLab, desta vez oferecendo um marcador de livros com os azulejos da fachada da Reitoria, de Fred Kradolfer (ver foto). Esperamos que tenham gostado da surpresa e que nos continuem a acompanhar!

____________________________________________________

HEIN SEMKE: CERAMIC IN ARCHITECTURE


January 25th, 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Session Overview

Studying for several years the artistic journey of Hein Semke with a particular emphasis on ceramics, Patrícia Nóbrega presented, in the AzLab#28 the communication Hein Semke: ceramic in architecture, about the work for architectural integration of the German artist.

Beginning with a brief biography of Semke, Patrícia Nóbrega highlighted the recent exhibitions in the CAM – Modern Art Collection of the Calouste Gulbenkian Foundation / Museum (2015) and in the National Azulejo Museum (2016), which greatly contributed to the revaluation of the artist’s multidisciplinary work.

Emphasizing the importance of his training in sculpture, Patrícia Nóbrega started by referring the ceramic plates of small and medium size for architectural application and placing the collaboration with architects and the interior decoration from the 1950s.

The first work to be analyzed, and certainly one of the most emblematic but also the only one that remains intact in the space for which it was conceived, was that of the house Lino Gaspar, on Alto do Lagoal, in Caxias. Experimentalism, vibrant colors, or the exploration of textures, which have so much characterized his work, are expressed in a unique way in the evocative forms of the undersea fauna and flora of this panel.

The covering for the Winter Hall of the Hotel Ritz, an invitation from the architect Porfírio Pardal Monteiro, and all the difficulties of which it was subject, from the commission to the donation of three originals panels to the Rectory of the Universidade de Lisboa, and ending in the recent defragmentation of the whole, occupied part of the presentation, being one of the aspects much discussed in the final debate.

The session ended with an analysis of the interventions for the Hotel Garbe (Armação de Pêra) and Hotel of Baleeira (Sagres), both missing, and with a reference to the panel Christ of the Fishermen, an offer of Semke to the President of the Republic Mário Soares, who is currently in the garden of the House-Museum João Soares, in Leiria.

Of the following debate, moderated by Rosário Salema de Carvalho, we highlight the issues related to the disappearance of much of the work of Hein Semke in situ, some technical features, some of which are described in his diary, and the importance of the places and the type of furnaces where he fired his pieces.

A final note to mark the three years of existence of AzLab, this time offering a bookmark with the azulejos (tiles) of the façade of the Rectory, by Fred Kradolfer (see photo). We hope you have enjoyed the surprise and continue to follow us!

HEIN SEMKE: CERÂMICA NA ARQUITECTURA

25 de Janeiro de 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English version — ]

Antigas e novas leituras sobre a obra de Hein Semke, o artista em foco no AzLab#28, conduzido por Patrícia Nóbrega.

____________________________________________________

HEIN SEMKE: CERAMIC IN ARCHITECTURE


January 25th, 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Old and new readings on the work of Hein Semke, the artist in focus at AzLab#28, led by Patrícia Nóbrega.

HEIN SEMKE: CERÂMICA NA ARQUITECTURA

25 de Janeiro de 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English version — ]

Resumo

Hein Semke deixa a sua Alemanha natal e fixa-se em Lisboa, em 1932. Movendo-se entre a então paisagem campestre de Linda-a-Pastora e o frenesim da Baixa e do café “A Brasileira”, que frequenta assiduamente, integra desde logo o círculo artístico lisboeta. Com formação em escultura e cerâmica, a sua obra desdobrar-se-ia em diferentes suportes artísticos, ora em simultâneo (o desenho esteve sempre presente), ora em sucedâneo.

As suas primeiras obras de maior fôlego, em Portugal, são esculturas monumentais encomendadas pelo Estado português e pela Igreja Evangélica Alemã de Lisboa. Na década de 1940 intensifica a sua obra em cerâmica, explorando as potencialidades e a plasticidade do barro numa intensa e criativa experimentação das artes do fogo, procurando resultados orgânicos vibrantes de cor e brilho. Se, por um lado, defende a singularidade e irrepetibilidade de uma peça, opondo-se à produção industrial, por outro, não se coíbe de utilizar materiais produzidos industrialmente.

Na cerâmica tridimensional realizou um vastíssimo número de obras tentando, por vezes, subverter o sentido de objectos convencionais, transfigurando-os em novas tipologias de objectos, investigando técnicas, tecnologia, a articulação do barro com outros materiais e com o espaço. A tridimensionalidade é um dos vectores da sua produção, caracterizando o próprio artista a sua obra em barro como de “cerâmica escultórica”. Nesta medida, criou obras para aplicação arquitectónica de diferentes dimensões e volumetrias, bem como revestimentos cerâmicos.

Nas décadas de 1950 e 1960 colabora com vários arquitectos na realização de painéis cerâmicos que ainda se encontram aplicados, para projectos que viriam a tornar-se uma referência na arquitectura modernista portuguesa, como a Casa Lino Gaspar, projecto de João Andresen, ou o Hotel Ritz, projectado por Porfírio Pardal Monteiro. Apaixonado pela paisagem portuguesa e, em particular, pela costa e orla marítima, Semke colaborou também com o arquitecto Jorge Chaves em duas unidades hoteleiras no Algarve, que malogradamente já não conservam a sua obra cerâmica, mas cuja memória importa resgatar.

No AzLab#28 iremos centrar a nossa atenção na obra cerâmica para integração arquitectónica de Hein Semke, revisitando aspectos da sua vida e obra pluridisciplinar, que ajudam a compreender e contextualizar o seu trabalho cerâmico.

Patrícia Nóbrega Az- Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL) |

____________________________________________________

HEIN SEMKE: CERAMIC IN ARCHITECTURE


January 25th, 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Abstract

In 1932, Hein Semke left his native Germany and settled in Lisbon. Moving between the countryside of Linda-a-Pastora and the frenzy of Baixa and the café “A Brasileira”, which he frequented assiduously, Semke integrated the artistic circle of Lisbon. In Germany, he attained studies in sculpture and ceramics and his work would unfold in different artistic supports, although the drawing was always present in his life.

His first major works in Portugal are monumental sculptures commissioned by the Portuguese State and the Evangelical German Church of Lisbon. In the 1940s he intensified his work in ceramics, exploring the potentials and the plasticity of the clay in an intense and creative experimentation of the arts of fire, and looking for vibrant organic results of color and brilliance. If, on the one hand, he defends the uniqueness and unrepeatability of a piece, opposing to the industrial production, on the other hand, he does not shy away from using industrially produced materials.

Semke carried out a vast number of works in tridimensional ceramics, sometimes trying to subvert the meaning of conventional objects, transfiguring them into new types of objects. Semke aimed to research techniques, technology, and the articulation of clay with other materials within a space. The tridimensionality is one of the vectors of his production. In this sense, the artist characterized his work in clay as “sculptural ceramics”, which he also created for architectural application with different dimensions and volumes, as well as ceramic coverings.

In the decades of 1950 and 1960 he collaborates with several architects in the realization of ceramic panels that remain applied, for projects that would become a reference in Portuguese modernist architecture, such as the Casa Lino Gaspar, a  João Andresen’s project, or the Hotel Ritz, designed by Porfírio Pardal Monteiro. Passionate about the portuguese landscape and, in particular, the coast and seafront, Semke also collaborated with the architect Jorge Chaves in two hotels in Algarve which, unfortunately, no longer maintain their ceramic work.

In AzLab#28 we will focus our attention on Hein Semke’s ceramics for architectural integration, revisiting aspects of his life and multidisciplinary career that help to understand and contextualize his ceramic work.

Patrícia Nóbrega Az- Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL) |

HEIN SEMKE: CERÂMICA NA ARQUITECTURA

25 de Janeiro de 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English version — ]

Convidado:
Patrícia Nóbrega [Az- Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

Patrícia Nóbrega é investigadora, desde Março de 2009, da Az – Rede de Investigação em Azulejo, tendo trabalhado e publicado nas áreas de inventário, coleccionismo, azulejaria e cerâmica do século XX. É mestre em Museologia pela FCSH-UNL com uma dissertação dedicada ao azulejo enquanto objecto museológico (2013).

Actualmente estuda as interacções artísticas e a circulação de modelos no azulejo português, enquanto bolseira de doutoramento da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com bolsa atribuída no âmbito do Programa de Bolsas de Doutoramento da Universidade de Lisboa.

– – – – –

Foto: © Ana Almeida

____________________________________________________

HEIN SEMKE: CERAMIC IN ARCHITECTURE


January 25th,
 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Invited speaker:
Patrícia Nóbrega [Az- Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

Patrícia Nóbrega is a researcher, since March 2009, of Az – Rede de Investigação em Azulejo, having worked and published in the areas of inventory, collections, azulejo and ceramics of the 20th century. She has a master’s degree in Museology by the FCSH-UNL with a dissertation dedicated to the azulejo as a museological object (2013).

Currently, she is studying the artistic interactions and circulation of models in the Portuguese azulejo, as a PhD scholarship holder of the Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, with a grant awarded under the Scholarship Program of the University of Lisbon.

– – – – –

Photo: © Ana Almeida

HEIN SEMKE: CERÂMICA NA ARQUITECTURA

25 de Janeiro de 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English version — ]

O artista alemão Hein Semke (1899-1995), estabelecido em Portugal desde 1932, tem merecido, nos últimos anos, uma particular atenção, traduzida nas  leituras renovadas que incidem sobre a sua obra artística multifacetada e de forte carácter expressionista. Utilizando diversos materiais e soluções plásticas, Semke explorou um vocabulário de formas propostas também para integração arquitectónica. É esta faceta da sua obra que o AzLab#28 se propõe a (re)descobrir, tendo como convidada Patrícia Nóbrega, doutoranda que, nos últimos anos, tem estudado o trabalho de Hein Semke nos seus diversos suportes mas, em particular, a cerâmica.

Convidado:
Patrícia Nóbrega [Az- Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

– – – – –

Foto: © Ana Almeida

____________________________________________________

HEIN SEMKE: CERAMIC IN ARCHITECTURE

 

January 25th, 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Particular attention has been paid to the German artist Hein Semke (1899-1995), established in Portugal since 1932, focusing on his multifaceted artistic work and of strong Expressionist character. The diverse materials and the different plastic solutions explored by Semke were also integrated and articulated with architecture. The AzLab#28 proposes to (re)discover this particular aspect of Semke’s work having as guest Patrícia Nóbrega, PhD student who, in recent years, has studied the work of Hein Semke in its various supports and, in particular, the ceramics.

Invited speaker:
Patrícia Nóbrega [Az- Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

– – – – –

Photo: © Ana Almeida

QUERUBIM LAPA: PRIMEIRA OBRA CERÂMICA [1954-1974]

14 de Dezembro de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English 8version — ]

Resumo

O AzLab#27, intitulado Querubim Lapa: Primeira Obra Cerâmica [1954-1974], teve como convidada a investigadora Rita Gomes Ferrão que, nos últimos anos e entre outras matérias, tem vindo a estudar a obra deste autor.

Ao longo de cerca de uma hora, Rita Gomes Ferrão conduziu-nos através da obra de Querubim Lapa, numa sequência cronológica que privilegiou os trabalhos em azulejo, desde a primeira encomenda, o padrão para o Centro Comercial do Restelo (1954), passando pelos Armazéns do Minho em Angola (1955), abordando a emblemática Loja Rampa (1956), os azulejos para a Escola de Campolide (1963), o Hotel Ritz (1959), a Loja das Meias (1960), a Reitoria da Universidade de Lisboa (1961), a Pastelaria Mexicana (1962), a Casa da Sorte (1963), o Hotel do Mar em Sesimbra (1963), o antigo Banco Nacional Ultramarino, em Moçambique (1963), as delegações da TAP, o Casino do Estoril (1967), o Palácio da Justiça (1969), terminando com o Instituto Ricardo Jorge (1972-1973).

Para além de uma análise rigorosa a cada um destes trabalhos, Rita Gomes Ferrão usou os exemplos referidos para comentar alguns aspectos mais significativos no contexto do trabalho de Querubim Lapa, como o desenho de padrões, cujos módulos possibilitam múltiplas composições revelando uma concepção de desenho muito sofisticada; a colaboração com arquitectos, entre os quais se destacam Raúl Chorão Ramalho, Francisco Conceição Silva e Artur Pires Martins, pelo trabalho que foi possível desenvolver, revelador de um nível de articulação entre as artes decorativas e a arquitectura que testemunha a designada síntese ou integração das artes; a tridimensionalidade dos seus trabalhos; as composições figurativas, com a iconografia solar, humana e o tema “Peixes Grandes Comem os Pequenos”, uma súmula simbólica, transversal à sua obra.

O debate, moderado por Ana Almeida, foi bastante participado, pois aspectos destacados por Rita Gomes Ferrão, por exemplo, relativamente à preservação da obra de Querubim Lapa, mereceram vários comentários por parte da assistência. As alterações na encomenda (pública ou privada) foi outro dos temas abordados, sendo importante referir a justificação adicional sobre a cronologia escolhida, essencialmente marcada pelo fim de um ciclo, em Portugal, que alterou profundamente a encomenda, ditando também o fim de um tempo muito particular em que a possibilidade de integração das artes foi particularmente explorada pelos arquitectos modernos e pelos artistas, tendo sido Querubim Lapa um dos melhores exemplos desta colaboração.

Como nota final não podemos deixar de nos congratular pela emergência do Núcleo de Estudos Querubim Lapa, descrito por Rita Gomes Ferrão, no que foi corroborada por Suzana Barros, principal impulsionadora do projecto e que assistiu ao AzLab partilhando algumas histórias daquela que é, sem dúvida, uma figura maior da cerâmica de autor do século XX em Portugal.

____________________________________________________

QUERUBIM LAPA: FIRST CERAMIC WORK [1954-1974]


December 14th,
 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Session Overview

The AzLab#27, entitled Querubim Lapa: First Ceramic Work [1954-1974], had as guest the researcher Rita Gomes Ferrão who, in recent years and among other subjects, has been studying the work of this author.

Over the course of about an hour, Rita Gomes Ferrão led us through the work of Querubim Lapa, in a chronological sequence that privileged the works in azulejo (tile), since the first commission, the pattern for the Restelo Shopping Centre (1954), to the Armazéns do Minho in Angola (1955), addressing the iconic Rampa store (1956), the azulejos for the School of Campolide (1963), the Hotel Ritz (1959), the Meias store (1960), the Rectory of the Universidade de Lisboa (1961), the Mexicana Pastry Shop (1962), the Casa da Sorte (1963), the Hotel do Mar in Sesimbra (1963), the old Banco Nacional Ultramarino in Mozambique (1963), the delegations of TAP (the Portuguese airline), the Casino of Estoril (1967), the Lisbon Courthouse (1969), ending with the Ricardo Jorge Institute (1972-1973).

In addition to a rigorous analysis of each of these works, Rita Gomes Ferrão used the  mentioned examples to comment on some of the more significant aspects in the context of the work of Querubim Lapa, such as the drawing of patterns, whose modules enable multiple compositions revealing a very sophisticated design concept; the collaboration with architects, among which stand out Raúl Chorão Ramalho, Francisco Conceição Silva and Artur Pires Martins, for the work that was possible to develop, revealing an accurate of articulation between  decorative arts and architecture that testifies  the so-called synthesis or integration of the arts; the tridimensionality of his works; the figurative compositions, with the solar and the human iconography and the theme “Peixes Grandes Comem os Pequenos” (“Big Fish Eat The Little Fish”), a symbolic summary, transversal to his work.

Moderated by Ana Almeida, the debate was highly participated, due to aspects highlighted by Rita Gomes Ferrão, for example, regarding the preservation of the work of Querubim Lapa, received a number of comments from the audience. The changes in the commission (public or private) was another approached topic, being important to mention the additional justification for the chosen chronology, essentially marked by the end of a cycle, in Portugal, which profoundly altered the commission, also dictating the end of a very particular time in which the possibility of integration of the arts was particularly explored by the modern movement architects and artists, having Querubim Lapa  been one of the best examples of this collaboration.

As a final note we congratulate  for the emergence of the Centre of Studies Querubim Lapa, as described by Rita Gomes Ferrão, in which it was corroborated by Suzana Barros, the main promoter of the project and who attended the AzLab sharing some stories of who is, undoubtedly, a major figure of the 20th century Portuguese ceramics.

QUERUBIM LAPA: PRIMEIRA OBRA CERÂMICA [1954-1974]

14 de Dezembro de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English 8version — ]

Resumo

Querubim Lapa, artista cuja obra constitui uma referência maior da cerâmica de autor do século XX em Portugal, desenvolveu uma carreira multidisciplinar, dominada pela pesquisa e experimentação de inúmeras tecnologias e materiais. Com formação superior em Escultura e posteriormente em Pintura, dedicar-se-á à cerâmica a partir de 1954, ano em que se estabelece na Fábrica da Viúva Lamego, com atelier próprio. A singularidade da sua obra cerâmica assenta no modo como se complementam os domínios disciplinares da sua formação, concorrendo basilarmente para a qualidade plástica da modelação e o domínio das cores e dos esmaltes. Afirmando-se como um dos mais sólidos valores no contexto das artes decorativas nacionais, Querubim Lapa dedica-se à concepção de peças que reformulam as premissas da cerâmica tradicional, imprimindo-lhes uma linguagem moderna. Desde o azulejo de padrão, aos painéis relevados ou outros elementos escultóricos, as suas obras distinguem-se pela eficiente integração nas obras arquitectónicas a que se destinam, resultado do trabalho colaborativo com um conjunto de arquitectos.

A comunicação Querubim Lapa: Primeira Obra Cerâmica [1954-1974], centra-se nos conteúdos da monografia com o mesmo nome, considerando genericamente os primeiros vinte anos da produção cerâmica de Querubim Lapa. Dando particular relevo às intervenções em arquitectura, concepção de azulejo de padrão e aos objectos tridimensionais de escala reduzida, procurará contribuir para a divulgação da génese de uma obra tão vasta como fundamental.

Rita Gomes Ferrão   |   Instituto de História da Arte – FCSH/UNL   |

____________________________________________________

QUERUBIM LAPA: FIRST CERAMIC WORK [1954-1974]


December 14th,
 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Abstract

Querubim Lapa
, a key figure of the 20th century Portuguese ceramics, developed a multidisciplinary career, dominated by research and experimentation of numerous technologies and materials. With a higher education in Sculpture and later in Painting, Querubim Lapa devoted himself to ceramics since 1954, when he established his own studio in the Factory Viúva Lamego. The uniqueness of his ceramic work is based on the way in which the disciplinary fields of his education complement each other, competing for the plastic quality of the modeling and the mastery of colors and enamels. Recognized as one of the most solid values in the context of the national decorative arts, Querubim Lapa dedicated himself to the design of pieces that reformulate the premises of traditional ceramics, featuring them with a modern language. From patterned azulejos, to relief panels or other sculptural elements, his works are highlighted by the architectural integration, as a result of a collaborative work with different architects.

The communication Querubim Lapa: First Ceramic Work [1954-1974] is focus on the contents of the monograph with the same name, addressing the first twenty years of his ceramic production. With a particular emphasis on the interventions in architecture, patterned azulejos design and small-scale three-dimensional objects, it seeks to contribute to the dissemination of the genesis of a career  as vast as it is fundamental.

Rita Gomes Ferrão   |   Instituto de História da Arte – FCSH/UNL   |