PREENCHER VAZIOS

[​ ​—​ ​Please​ ​scroll​ ​down​ ​for​ ​English​ ​version​ ​—​ ​]

Resumo
Joana Abreu levou as intervenções do projecto Preencher Vazios para a sala 5.2 da FLUL, e no AzLab#32 foi possível não apenas conhecer melhor as características desta iniciativa, mas também organizar e montar alguns dos azulejos em MDF que, a partir de quarta-feira, se encontram aplicados em três fachadas de Lisboa.

A sessão começou com uma introdução sobre o projecto, com Joana Abreu a contar de que modo nasceu a ideia do Preencher Vazios (no contexto da sua dissertação e trabalho de projecto de mestrado), explicando depois como se desenvolveu, quer no contexto académico, quer pelo impacto que alcançou em termos mais alargados. A ideia de preencher os vazios das fachadas, chamando a atenção para o problema da salvaguarda do azulejo, ganhou uma dimensão que a autora não esperava, mas que cumpre os objectivos enquanto intervenção artística com uma consciência patrimonial muito vincada e definida.

No final, as perguntas expressaram bem o interesse suscitado pela apresentação, com a assistência a querer saber mais detalhes sobre as escolhas das fachadas, as opções por determinadas frases, os critérios de intervenção, as reacções das pessoas no momento das colagens, entre muitas outras questões.

Por fim, Joana Abreu acabou alguns dos azulejos que aplicou hoje em Lisboa, desafiou o público a montar alguns desses conjuntos, ao mesmo tempo que projectava imagens das fachadas onde seriam ser colocados.

____________________________________________________

PREENCHER VAZIOS


Session Overview
Joana Abreu and the interventions of the project Preencher Vazios (Fill in Voids) filled in the FLUL’s room 5.2 and in the AzLab#32 it was possible not only to know better this initiative, but also to organize and assemble some of the azulejos (tiles) in MDF that, from now on, are applied on three façades of Lisbon.

The session began with an introduction to the project, with Joana Abreu telling how the idea of Preencher Vazios (Fill in Voids) was born (in the context of her dissertation and master’s project work), explaining then how it was developed, both in the academic context and the impact it achieved in broader terms. The idea of filling in the voids of the façades, drawing attention to the problem of the safeguarding of the azulejo (tile), gained a dimension that the author did not expect, but that fulfills the objectives as an artistic intervention with a well-defined heritage consciousness.

In the end, the questions expressed the interest aroused by the presentation, with the assistance wanting to know more details about the façade choices, the options for certain phrases, the intervention criteria, the reactions of people at the time of the collages, among many others.

Finally, Joana Abreu finished some of the tiles she applied yesterday In Lisbon, challenged the public to assemble some of these sets, while projecting images of the façades where they would be placed.

PREENCHER VAZIOS

17 de Maio de 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2  

[​ ​—​ ​Please​ ​scroll​ ​down​ ​for​ ​English​ ​version​ ​—​ ​]

Convidado:
Joana Abreu [Projecto Preencher Vazios]

Joana Abreu é licenciada em Design de Interiores pela ESAD Matosinhos  (2013) e mestre em Arte e Design para o Espaço Público pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto (2016).

Começou a interessar-se pelo azulejo enquanto caminhava pelas ruas do Porto e isso levou-a a desenvolver um dos seus projectos, o Preencher Vazios. Iniciado em Abril de 2015, este projecto pretende chamar a atenção para a falta de preservação do património azulejar português, espalhando a poesia portuguesa pelas fachadas das nossas cidades, na tentativa de lhes dar uma nova voz para se fazerem ouvir.

____________________________________________________

PREENCHER VAZIOS


May 17th, 2017
| 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Invited speaker:
Joana Abreu [Preencher Vazios Project]

Joana Abreu has a degree in Interior Design from ESAD Matosinhos (2013) and a Master’s degree in Art and Design for Public Space from Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto (2016).

She began to be interested in the azulejo (tile) as she walked through the streets of Oporto and this led her to develop one of her projects, Preencher Vazios (Fill in Voids), which started in April 2015. This project aims to draw attention to the lack of preservation of the Portuguese azulejo heritage, spreading Portuguese poetry through the facçades of our cities, in an attempt to give them a new voice to make themselves heard.

PREENCHER VAZIOS

17 de Maio de 2017 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2  

[​ ​—​ ​Please​ ​scroll​ ​down​ ​for​ ​English​ ​version​ ​—​ ​]

O azulejo, cuja história remonta, em Portugal, ao final do século XV, é hoje parte integrante do imaginário nacional. Esta ideia é reforçada pela recente utilização do azulejo como referente em projectos artísticos nos quais o material cerâmico é substituído pelo papel, madeira ou “pintura mural”, e os seus motivos tradicionais (figurativos ou de padrão) são trabalhados através de uma linguagem contemporânea, associada à cultura urbana. O AzLab#32 pretende, assim, abrir o debate em torno desta evocação da tradição azulejar no panorama artístico nacional. Para tal, conta com a presença de Joana Abreu, artista, designer e autora  do projecto Preencher Vazios, que constitui um exemplo desta nova abordagem ao azulejo. Através da aplicação de placas em madeira que mimetizam os padrões dos azulejos de fachada, alterando-lhes a cor e acrescentando-lhes excertos de textos de autores portugueses, este projecto pretende chamar a atenção para a degradação do património azulejar no nosso país.

Convidado:
Joana Abreu [Projecto Preencher Vazios]

____________________________________________________

PREENCHER VAZIOS


May 17th, 2017
| 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

The azulejo (tile), whose history goes back, in Portugal, to the end of the 15th century, is now an integral part of the national imagination. This idea is reinforced by the recent use of the azulejo as a reference in artistic projects in which the ceramic material is replaced by paper, wood or “mural painting”, and its traditional motives (figurative or pattern) are worked through a contemporary language, associated with urban culture. The AzLab # 32 aims, therefore, to open the debate around this evocation of the azulejo tradition in the national artistic panorama. To this end, our next guest will be Joana Abreu, artist, designer and author of the project Preencher Vazios (Fill in Voids), who is an example of this new approach to the azulejo. Through the application of wooden plaques that mimic the patterns of the façade azulejos, giving them different colours and adding excerpts of texts, this project aims to draw attention to the degradation of the azulejo heritage in our country.

Invited speaker:
Joana Abreu [Preencher Vazios Project]

[ — Please scroll down for English version — ]

O AzLab#11, dedicado ao tema O Azulejo na Cultura Urbana, teve como convidados Inês Leitão e Diogo Machado (Add Fuel), e contou com a moderação de Sónia Vespeira de Almeida. Na primeira intervenção, Inês Leitão reflectiu sobre o azulejo enquanto elemento de arte pública, no contexto da cidade de Lisboa, mostrando de que forma este material cerâmico pode possibilitar a criação de lugares habitados. Foram apresentados alguns exemplos produzidos a partir da década de 1970, de artistas como João Abel Manta, Eduardo Nery, Pedro Cabrita Reis, Fernanda Fragateiro, Maria Keil, Catarina Almada Negreiros e Rita Almada Negreiros.

Diogo Machado começou por uma breve apresentação do seu percurso enquanto artista, definindo-se como “um tradutor de conceitos”. A sua exposição centrou-se nas obras que têm como referente o azulejo de padrão, reinterpretando-o em objectos cerâmicos ou em pintura mural. Ao mesmo tempo, Diogo Machado foi falando sobre o seu processo criativo, desde a forma como faz a pesquisa até à obra final. O conceito de construção do lugar que Inês Leitão referira anteriormente ficou agora bem expresso em exemplos concretos de um artista que investiga os espaços e a envolvente.

Esta problemática continuou a ser discutida no período de debate, conduzido por Sónia Vespeira de Almeida. Inês Leitão explicou os critérios que usou para definir os estudos de caso apresentados ou seja, de que forma uma obra constrói o lugar e outra não; enquanto Diogo Machado aprofundou, com maior detalhe, de que forma pensa o lugar quando intervém em determinado espaço. A importância do azulejo na obra de Diogo Machado suscitou perguntas sobre a forma como o seu trabalho é recepcionado nacional e internacionalmente e, se o público estrangeiro associa a sua obra ao referente azulejar. A ideia de pensar o seu trabalho como uma forma de tradução de algo que é característico português foi outro dos aspectos em debate, ligando-se ao problema do suporte e, consequentemente, da utilização de azulejo ou do muro como suportes de pintura. Neste ponto, a discussão centrou-se na questão de saber se o azulejo é apenas um suporte de pintura, ou tem qualidades materiais distintivas. A sessão terminou com este questionar a materialidade e a função do azulejo, e de que forma este poderá contribuir para a construção de uma identidade nacional, tema a que certamente regressaremos numa próxima ocasião.
_____________________________________________________

The AzLab#11, The Azulejo in Urban Culture, had as guests Inês Leitão and Diogo Machado (Add Fuel), and was moderated by Sónia Vespeira de Almeida. It started with the intervention of Inês Leitão who presented a reflection on the azulejo as a public art motif, in the context of the city of Lisbon, showing how this ceramic material can enable the creation of lived places. She presented some examples from the 1970’s, of artists such as João Abel Manta, Eduardo Nery, Pedro Cabrita Reis, Fernanda Fragateiro, Maria Keil, Catarina Almada Negreiros and Rita Almada Negreiros.

Diogo Machado began with a brief presentation of his journey as an artist, defining himself as “a translator of concepts”. He focused his presentation on his works that have as a reference the patterned azulejo, reinterpreting it in ceramic objects or wall-painting. At the same time, Diogo Machado talked about his creative process, from the way he does his research to the final work. The concept of constructing the place that Inês Leitão had previously pointed out was now well expressed in examples of an artist who investigates the spaces and its surroundings.

These issues continued to be discussed in the debate period, led by Sónia Vespeira de Almeida. Inês Leitão explained the criteria she used to define the case studies presented, in other words, how a work can or cannot construct the place; in turn Diogo Machado deepened, in more detail, how he thinks the place when he intervenes in a given space. The importance of the azulejo in Diogo Machado’s work raised several questions about how it is is received nationally and internationally and, if the foreign public associates it to the azulejo. The idea of thinking about his work as a form of translation of something that is a Portuguese characteristic was another aspect in debate, associated with the question about the use of azulejo or the wall as painting supports. At this point, the discussion focused on whether the azulejo is just a painting support or has distinctive material qualities. The session ended with this questioning concerning the azulejos materiality and function, and how it can contribute to the construction of a national identity, theme that certainly we will return at a future time.

O AZULEJO NA CULTURA URBANA

25 de Fevereiro de 2015 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

[ — Please scroll down for English version — ]

Azulejo & Arte Pública
Embora o azulejo seja entendido, desde a década de 1950, como elemento de arte pública, só no início de 1970 é que começou a ser trabalhado com o intuito de contribuir para o melhoramento urbano. Tal relaciona-se com a nova abordagem ao espaço por parte de alguns teóricos, nomeadamente Michel Foucault e Henri Lefebvre que, nos finais da década de 1960, defendiam que «o espaço é socialmente produzido» através das vivências quotidianas dos cidadãos (Lefebvre 1991, 26-33). Este debate em torno do espaço, e consequentemente do lugar, influenciou a maneira como os artistas trabalhavam e entendiam a arte pública. Ou seja, como uma proposta que envolve a comunidade.

Em Portugal, e no que diz respeito ao azulejo, o início desta perspectiva acontece com o projecto de João Abel Manta (1928) para o muro de suporte de terras (1970-1982), na Avenida Calouste Gulbenkian (Lisboa). Tendo em conta as características e dinâmicas do espaço envolvente, localizado junto de uma via rápida, o artista propõe um revestimento cerâmico para ser percepcionado em movimento, através de um jogo rítmico entre formas e cores, que se diluem com a paisagem.

Desde então, o azulejo tem sido um dos intervenientes da cultura urbana, manifestando-se principalmente nos «novos espaços públicos» (Cresswell 2006, 21-22). Estes são locais de circulação (auto-estradas, estações de transportes públicos, pontes, viadutos, entre outros), que derivam das mobilidades urbanas recentes (os automóveis e os transportes rodoviários, fluviais e aéreos).

Na próxima sessão do AzLab serão abordados alguns exemplos que mostram de que forma as mais recentes obras em azulejo têm tido em consideração o contexto social e cultural da comunidade que convive com a obra, no seu dia-a-dia, de maneira a construir o lugar, ou seja, a transformar o espaço num sítio de pertença da comunidade.

Inês Leitão | Investigadora da Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL |
___________________________
Referências bibliográficas:
Cresswell, Tim. 2006. On the move: mobility in the modern Western world. Londres e Nova Iorque: Routledge.
Lefebvre, Henri. 1974. La Prodution de l’ Espace. [s.l.]. Tradução de Donald Nicholon-Smith. 1991. The Production of Space. Oxford: Blackweel Publishing.

_____________________________________________________

THE AZULEJO IN URBAN CULTURE


February 25, 2015 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Azulejo & Public Art
Although the azulejo has been understood since the 1950s, as a public art element, only in the early 1970s it began to be worked in order to contribute to the urban lanscape. This fact relates to the new approach to space by some theorists, namely Michel Foucault and Henri Lefebvre who, in the late 1960s, argued that “the space is socially produced” through the everyday experiences of the citizens (Lefebvre 1991 26-33). This debate around the space, and consequently the place, influenced the way artists worked and understood public art. That is, as a proposal that involves the community.

In Portugal, in what concerns azulejo, this perspective starts with the project of João Abel Manta (1928) for the earth retaining wall (1970-1982), at Avenida Calouste Gulbenkian (Lisbon). Taking into account the characteristics and dynamics of the surrounding area, located near a highway, the artist proposes a ceramic covering to be perceived in motion, through a rhythmic game between forms and colors, which are diluted with the landscape.

Since then, the azulejo has been one of the intervention elements of urban culture, manifesting itself mainly on the ‘new public spaces’ (Cresswell 2006, 21-22). These are circulation places (motorways, public transport stations, bridges, viaducts, etc.), which are derived from recent urban mobility (cars, public transport, ferryboats and air transport).

At the forthcoming AzLab session it will be presented some examples that show how the most recent works on azulejo have taken into account the social and cultural context of the community in its daily life, in order to transform the space into a belonging place for the community.

Inês Leitão | Investigadora da Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL |
___________________________

Bibliographical references:
Cresswell, Tim. 2006. On the move: mobility in the modern Western world. Londres e Nova Iorque: Routledge.
Lefebvre, Henri. 1974. La Prodution de l’ Espace. [s.l.]. Translation: Donald Nicholon-Smith. 1991. The Production of Space. Oxford: Blackweel Publishing.

O AZULEJO NA CULTURA URBANA

25 de Fevereiro de 2015 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

Um dos próximos convidados do AzLab é o Diogo Machado / AddFuel. Conheça melhor o seu trabalho em www.addfuel.com.

_____________________________________________________

THE AZULEJO IN URBAN CULTURE


February 25, 2015 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Diogo Machado / AddFuel is one of the guests of the forthcoming AzLab. To better understand his work, go to www.addfuel.com.