TÉCNICAS DE PINTURA EM AZULEJO

[Foto / Photo: © MNAz]

[ — Please scroll down for English version — ]

9 de Março de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 2.1

Corda-Seca
É uma técnica de decoração cerâmica que consiste na aplicação de uma corda fina (cordel), ou fio, saturada em matéria gorda, como óleo de linhaça, que impede a fusão das cores durante a cozedura ou queima.

– – – – –

Foto: © MNAz

____________________________________________________

PAINTING TECHNIQUES IN AZULEJO


March 9th,
 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 2.1

Dry Cord
It is a ceramic decoration technique that consists of applying a thin rope (cord), or thread, saturated in fat content, such as linseed oil, that prevents the merging of the colors during firing or burning.

– – – – –

Photo: © MNAz

TÉCNICAS DE PINTURA EM AZULEJO

— Please scroll down for English version — ]

9 de Março de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 2.1

O AzLab#21 é dedicado às técnicas de pintura em azulejo. Ao longo das próximas semanas vamos publicar um conjunto de posts descrevendo algumas das técnicas mais utilizadas e que serão referidas nesta sessão.

____________________________________________________

PAINTING TECHNIQUES IN AZULEJO


March 9th,
 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 2.1

The AzLab#21 is dedicated to painting techniques in azulejo. During the following weeks we will publish several posts describing some of the most used techniques and which will be referred to in this section.

TÉCNICAS DE PINTURA EM AZULEJO

— Please scroll down for English version — ]

9 de Março de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 2.1

Atingimos o limite máximo de inscrições para o AzLab#21, obrigada pelo seu interesse!
Continue a seguir-nos!

____________________________________________________

PAINTING TECHNIQUES IN AZULEJO


March 9th,
 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 2.1

We reached the maximum limit of registrations for the AzLab # 21, thank you for your interest!
Continue to follow us!

TÉCNICAS DE PINTURA EM AZULEJO

— Please scroll down for English version — ]

9 de Março de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 2.1

Convidado:
Teresa Pinto Silva [Az – Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

Teresa Pinto Silva
É mestre em Arte, Património e Teorias do Restauro (2015), pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com a tese “Devolver ao Olhar: Percurso e Projecto Expositivo no Museu Nacional do Azulejo”, que decorreu do seu trabalho neste projecto. É técnica de conservação e restauro desde 1993 e, desde então, tem trabalhado na área da azulejaria e cerâmica nas empresas que formou, colaborando de forma próxima com o Museu Nacional do Azulejo. Como bolseira Az – Rede de Investigação em Azulejo integrou o projecto “Az.Thesaurus”, financiado pela Fundação Joana Vasconcelos.

– – – – –

Foto: © Inês Aguiar | Design: © Inês Leitão

____________________________________________________

PAINTING TECHNIQUES IN AZULEJO


March 9th,
 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 2.1

Invited speaker:
Teresa Pinto Silva [Az – Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

Teresa Pinto Silva
Teresa Pinto SIlva have got her M.A. in Art, Heritage and Restoration Theories (2015) in the Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, with the thesis “Devolver ao Olhar: Percurso e Projecto Expositivo no Museu Nacional do Azulejo” (Giving back to the view: Route and Expository Project in the National Museum of Azulejo). This thesis reflects the work she developed in the context of this project. Since 1993, she is a technician of conservation and restoration. From then, she has been working in the field of azulejo and ceramics in the companies that she formed, closely collaborating with the National Museum of Azulejo. As a grant holder with the Az – Rede de Investigação em Azulejo, she participated in the project Az.Thesaurus, supported by Fundação Jona Vasconcelos.

– – – – –

Photo: © Inês Aguiar | Design: © Inês Leitão

TÉCNICAS DE PINTURA EM AZULEJO

[ — Please scroll down for English version — ]

9
 de Março de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 2.1

No AzLab#21 vamos abordar a questão das técnicas de produção de azulejos, propondo um percurso pelas diversas formas de pintar azulejos, desde as designadas técnicas arcaicas até ao período pré-industrial. A sessão começa com uma perspectiva teórica, mostrando réplicas executadas com diferentes técnicas a par de imagens de azulejos que se conservam in situ. E porque este AzLab é especial, inclui um breve workshop de pintura, em que os participantes são convidados a experimentar pintar um azulejo à mão livre e segundo a técnica da estampilha. Pretende-se proporcionar não apenas uma experiência de pintura, mas também uma experiência teórico-prática fundamentada na história do azulejo português.

NOTA: Excepcionalmente, e por uma questão de preparação de materiais, é necessária uma inscrição prévia para o e-mail: redeazulejo@letras.ulisboa.pt. O AzLab#21 especial terá um número máximo de 20 participantes.

Convidado:
Teresa Pinto Silva [Az – Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

– – – – –

Foto: © Inês Aguiar | Design: © Inês Leitão

____________________________________________________

PAINTING TECHNIQUES IN AZULEJO


March 9th, 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 2.1

In the AzLab#21 we will address the issue of azulejo production techniques, proposing a journey through the various forms of tile painting, since the so-called archaic techniques to the pre-industrial period. The session will begin with a theoretical perspective by showing replicas executed with different techniques along with images of azulejos that are still in situ. And because this is a special AzLab, it will include a brief painting workshop, in which the participants are invited to try and paint a freehand azulejo or in the stencil technique. It is intended to provide not just a painting experience, but also a theoretical and practical one, based in the history of the Portuguese Azulejo.

NOTE: Exceptionally, and due to the materials preparation, a prior registration for the following e-mail is required: redeazulejo@letras.ulisboa.pt. The AzLab#21 will have a maximum of 20 participants.

Invited speaker:
Teresa Pinto Silva [Az – Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL)]

– – – – –

Photo: © Inês Aguiar | Design: © Inês Leitão

Proceedings of AzLab#14 Azulejos and Frames

— Please scroll down for English version — ]

Sessão de lançamento do número especial da revista digital ARTisON com as actas do AzLab#14 Azulejos and Frames, que decorreu na sala 1.2 da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no dia 16 de Fevereiro de 2016.

____________________________________________________

The special number of the ARTisON digital magazine, with the AzLab#14 Azulejos and Frames proceedings, took place at Faculdade de Letras of the Universidade de Lisboa, room 1.2, on February 16th, 2016.


ARTisON, 2, 2016
Edição especial – atas do AzLab#14 Azulejos and Frames
Special issue – proceedings of AzLab#14 Azulejos and Frames
Editado por / Edited by Rosário Salema de Carvalho

ISSN: 2183-7082
http://artison.letras.ulisboa.pt

Índice / Table of contents

INTRODUCTION
Rosário Salema de Carvalho
4-8

THE YCBA HISTORIC FRAME COLLECTION: USING SEMANTIC WEB TECHNOLOGY
TO CONTRIBUTE TO THE SCHOLARSHIP OF BRITISH ART
Emmanuelle Delmas-Glass
9-23

REFRAMING:
CATALOGUING PATTERNED AZULEJOS FRAMES
Inês da Silva Aguiar
24-32

CATALOGUING BAROQUE AZULEJO FRAMES A PROJECT IN PROGRESS
Rosário Salema de Carvalho
33-41

FRAME SIMULATIONS
IN 18th CENTURY AZULEJOS
Ana Raquel Machado
and Rosário Salema de Carvalho
42-53

EARLY FAÇADE AZULEJO FRAMES BY FÁBRICA ROSEIRA OF LISBON
João Manuel Mimoso
54-60

THE ART NOUVEAU TILES AS FRAMES
TO ARCHITECTURE IN LISBON
António Francisco Arruda de Melo Cota Fevereiro
61-74

JORGE COLAÇO
IDENTITY AND TRANSCULTURALITY IN AZULEJO FRAMINGS
Patrícia Nóbrega
75-87

ARCHITECTURE, CERAMICS AND FRAMES THREE CASE STUDIES IN THE WORK
OF JORGE BARRADAS
Ana Almeida
88-99

RETHINKING FRAMES
IN CONTEMPORARY AZULEJO
Inês Leitão
100-108

— Please scroll down for English version — ]

O AzLab#20, intitulado Azulejo & Aprendizagem,  teve como convidadas  Inês Almeida, professora de ourivesaria na Escola Artística António Arroio, e Catarina Valença Gonçalves, da SPIRA, contando com a moderação de Patrícia Nóbrega.

Começando por explicar as várias áreas de ensino artístico da Escola Artística António Arroio, Inês Almeida apresentou, na sua intervenção intitulada “do Azulejo ao Metal”, o trabalho desenvolvido pelos alunos da disciplina de Projecto e Tecnologia de Ourivesaria daquela instituição, que construíram um anel a partir das figuras de convite da azulejaria portuguesa. Explorando a relação entre a história do azulejo e o processo criativo dos alunos, Inês Almeida mostrou as diversas fases deste trabalho, desde os contactos iniciais com diversas imagens de figuras de convite numa cronologia alargada (do século XVIII à contemporaneidade), passando pela investigação e concepção da peça, e terminando na execução do anel na área de oficina. Um dos slides com alguns dos anéis produzidos neste âmbito encontra-se reproduzido nas fotografias que documentam este AzLab.

Por sua vez, Catarina Valença Gonçalves começou por contextualizar o seu trabalho na área da educação patrimonial, destacando a sua empresa – Spira – e os projectos que desenvolve neste contexto, quer em rotas patrimoniais centradas no Alentejo, como a Rota do Fresco, quer em actividades de cariz mais abrangente, como o Mundo Património Lab, em Lisboa. Destacou ainda a Feira do Património, que conta já com três edições, e o Festival Aproxima-te, a decorrer em Maio de 2016. As acções directamente relacionadas com o azulejo foram também mencionadas, merecendo especial destaque o projecto desenvolvido com as escolas de Coimbra, no âmbito da última edição da Feira do Património, que decorreu no Mosteiro de Santa Clara a Velha, em Coimbra, e no qual foram trabalhados, ao nível da expressão plástica, os azulejos hispano-mouriscos aplicados neste espaço conventual.

No período de debate as convidadas manifestaram-se sobre a importância da responsabilidade que as diversas instituições-públicas e privadas têm na criação de mecanismos de aproximação da população ao património cultural e da sua dimensão afectiva.

____________________________________________________

The AzLab#20 entitled Azulejo & Learning had as guests Inês Almeida, teacher of goldsmithery at the Antonio Arroio Artistic School, and Catarina Valença Gonçalves, of SPIRA, and was moderated by Patrícia Nóbrega.

Starting by explaining the various areas of artistic tented the work developed by the students of the Project and Goldsmith Technologies discipline of that institution, who have built a ring inspired by the welcoming figures of the Portuguese Azulejo. Exploring the relationship between the history of azulejo and the creative process of the students, Inês Almeida showed the various phases of this work, from the initial perspective to several images of welcoming figures in an enlarged chronology (from the 18th century to contemporaneity), going through the research and design of the piece, and ending with the execution of the ring in the workshop area. One of the slides with some of the rings created in this context is reproduced in the photographs documenting this AzLab.

In turn, Catarina Valença Gonçalves began by contextualizing her work in the field of heritage education, highlighting her company – Spira – and the projects that she’s developing in this context, both in heritage routes in the Alentejo, such as Fresco Route, and in more comprehensive activities, such as Mundo Património Lab, in Lisbon. She also highlighted the Feira do Património (Heritage Fair), which already has three editions, and the Festival Aproxima-te, taking place in May 2016. Actions directly related to the azulejo were also mentioned, deserving a special attention to the project developed with the schools of Coimbra, under the latest edition of the Feira do Património (Heritage Fair), which took place at the Monastery of Santa Clara-a-Velha, in Coimbra, and in which were explored the hispano-moorish azulejos applied in this convent.

During the debate, both guests manifest themselves on the importance of accountability that the various private and public institutions have in the creation of mechanisms of approaching the population to the cultural heritage and its affective dimension.

AZULEJO & APRENDIZAGEM

— Please scroll down for English version — ]

17 de Fevereiro de 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 2.1

3 perguntas | ao Serviço Educativo do Museu Nacional do Azulejo

1.  O que entendem por educação patrimonial no contexto do MNAz?
Vemo-nos como um ponto de partida para a “consciencialização” do azulejo enquanto património português.

Em termos de educação patrimonial a missão do Museu Nacional do Azulejo assenta na sensibilização das comunidades para a questão da valorização do azulejo, do seu conhecimento e da sua salvaguarda. O Museu assume-se como um instrumento de sensibilização para a importância do azulejo enquanto elemento fundamental da identidade cultural portuguesa. Vemo-nos como um ponto de partida. Enquanto espaço único, privilegiado, para poder conhecer o azulejo português, queremos sensibilizar o visitante a olhar e a compreender o azulejo nos seus espaços de origem, onde está aplicado.

É importante tentar promover a participação, tão abrangente quanto possível, dos vários segmentos de população. Pretende-se, através de um contacto privilegiado junto das instituições que servem as comunidades, promover a participação destas em ações que partem do museu: “O Museu como ponto de partida para conhecer o azulejo do bairro ou da cidade”.


2. Que actividades desenvolvem?

As atividades desenvolvidas em termos mais regulares são as visitas orientadas, associadas a uma experiência prática de oficina de pintura de azulejo. Estas duas atividades base permitem o conhecimento do azulejo português e podem ser realizadas pelos vários públicos a partir dos 4 anos, e em várias línguas. Estas visitas incluem, para além da coleção de azulejos, a abordagem ao espaço que alberga o museu – o Convento da Madre de Deus.

Permitindo outras formas de abordagem e exploração do museu e do azulejo in situ, criaram-se atividades mais lúdicas, tais como peddy papers para famílias, escolas e público em geral, estabelecendo percursos culturais a explorar pela cidade.
Outras atividades permitem a ligação do azulejo com outras artes, tais como o concerto comentado de piano, em que se faz um paralelismo com a música, oficinas de exploração temáticas (mar, animais, as artes do fogo) e atividades destinadas a públicos específicos tais como o público sénior e com deficiência (visual e cognitiva).

A par destas atividades, o museu desenvolve também cursos diversos sobre cerâmica e sobre o azulejo, bem como, noutra área, programas específicos para dias comemorativos em que se privilegia a animação cultural: conferências, concertos, worshops, visitas animadas, dança, entre outros.


3. Quais são os vossos públicos-alvo?
A definição do público-alvo para 2016 está inerente à missão de MNAZ para a sensibilização, tão alargada quanto possível, para o conhecimento e a sequente valorização e salvaguarda do azulejo, nomeadamente do azulejo in situ. Procura-se, assim, a  participação abrangente dos vários segmentos da população.

Temos como objetivo inicial a comunidade local (que entendemos a cidade de Lisboa). Pretende-se, através de um contacto privilegiado junto das instituições que servem as comunidades, promover a participação destas em pelo menos uma a duas atividades relacionadas com o azulejo. Contactamos escolas (do pré escolar ao ensino  universitário), instituições sociais, instituições de apoio ao sénior e de apoio à deficiência, entre outras.

Em termos estratégicos, e porque o Museu Nacional do Azulejo tem vindo cada vez mais a reforçar a sua missão enquanto museu inclusivo, ao alcance de todos, apostamos em instrumentos, recursos e atividades que permitam captar o interesse e o acesso de público com necessidades especiais.

Damos também especial relevo à nossa comunidade local mais próxima, na zona de Xabregas, com características socio económicas específicas, desenvolvendo parcerias com as juntas de freguesia e as escolas da envolvência, bem como, num outro plano, a própria zona oriental de Lisboa.

____________________________________________________

AZULEJO & LEARNING

February 17, 2016 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 2.1

3 questions | to the Education Department of the National Azulejo Museum

1. What do you understand by heritage education in the context of the MNAz – National Azulejo Museum?
We see ourselves as a starting point for “awareness” of the azulejo whilst a Portuguese heritage. The Museum has the role of call the attention to the azulejo heritage and to its safeguarding, particularly to the Azulejos that remain in their original places: “The Museum as a starting point to know the azulejo of the district or the city”.


2. What are the activities that you develop?

The activities that we developed most frequently are the guided visits (which includes the space that houses the Museum – the convent of Madre de Deus), combined with the practical experience of the azulejo painting workshops. These two promote the learning on Portuguese azulejo and can be done by different age groups and in several languages.

Other forms to approach and to explore the Museum and the azulejo in situ are recreational activities such as peddy papers for families, schools and the general public, establishing cultural tours to explore the city.

Other activities allow for the connection between the azulejo and other arts – such as music – like our commented concert piano. Also, we promote thematic exploration workshops (the sea, the animals, the arts of fire) and activities aimed at specific publics such as the seniors and people with disabilities (visual and cognitive).

Alongside these activities, the Museum also develops several courses on ceramics and on azulejo, and, in another area, specific programs for commemorative days that focuses on cultural events: conferences, concerts, workshops, animated visits, dancing, etc.


3. What are your target publics?

Inherent to the mission of the Museum, the search is for the extensive participation of all segments of the population. In strategic terms, and because the National Azulejo Museum has been increasingly strengthening its mission as an inclusive Museum accessible to all, we are betting on instruments, resources and activities that allow us to capture the interest and access of the public with special needs.

We also give a special attention to our nearest local community, in the area of Xabregas, with specific socio-economic features, by developing partnerships with local institutions.