ROTAS CULTURAIS

19 de Março de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

O conceito de rota cultural, que implica a descoberta e a partilha de um património comum a uma determinada área geográfica, associado a um percurso pré-definido, introduziu em Portugal, nos últimos anos, uma série de itinerários bastante diversificados.
A importâcia do azulejo, entendido como património diferenciador da cultura portuguesa e como património integrado, que deve ser fruído no seu contexto original (para onde foi concebido), é uma das artes que melhor justifica a criação de roteiros temáticos, como é o caso da Rota do Azulejo no Alentejo, que nasceu em 2012 e dá agora os primeiros passos. O azulejo beneficia ainda, neste âmbito, da inserção em roteiros de espectro mais alargado, onde pode ser compreendido à luz da “obra de arte total” ou da integração das artes, de que é parte integrante.
A presente sessão pretende discutir a importância do azulejo no contexto da definição de itinerários culturais, chamando a atenção para a questão da valorização do património integrado. Pretende-se ainda debater que papel cabe à investigação nesta dinâmica, entre outros aspectos.

– – – – –

Foto: © Inês Leitão

_____________________________________________________

CULTURAL ROUTES

 

March 19, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa |  room 5.2

The concept of cultural route, which implies the discovery and sharing of a heritage belonging to a given geographic area, linked to a predefined route, has introduced in Portugal, in the last few years, a series of well-diversified itineraries.
The azulejo, understood as an integrated form of heritage distinctive of Portuguese culture, which must be admired in its original context (the location it was designed for), is one of the artistic forms more suited to the creation of thematic itineraries – such as the Azulejo’s Route in Alentejo, established in 2012 and now at its beginnings. Furthermore, the azulejo is also featured in wider-ranging routes, where it can be seen as part of a “total work of art”, or as a key element in the integration of different forms of art.
The present session aims to discuss the azulejo’s importance in mapping cultural itineraries, whilst calling attention to the significance of integrated forms of heritage. The debate will also take up, among other topics, the role played by research in this area.

– – – – –

Photo: © Inês Leitão


O AzLab Arte e Arquitectura começou, tal como o anterior, com a intervenção de cada uma das convidadas, as quais tiveram em comum o enfoque na relação entre arquitectos e artistas e a forma como a obra de arte final resultou. A Ana Pascoal abordou o património integrado no contexto da investigação que tem vindo a desenvolver sobre os edifícios da Universidade de Lisboa, projectados por Pardal Monteiro, onde não faltaram exemplos de azulejos, não só da época de construção da Cidade Universitária, mas também de outros períodos, como os azulejos do “Castelinho” da Faculdade de Farmácia – edifício do século XIX, e outros de períodos mais recentes, nas Faculdades de Ciências e de Direito.

A Ana Almeida traçou uma breve história do azulejo na segunda metade do século XX,  destacando a forma como as obras cerâmicas se articularam, ou não, com a arquitectura, as suas influências e as diferenças de concepção do azulejo dos anos 50 do século XX até à actualidade, tudo isto ilustrado com exemplos das várias épocas. Ambas as intervenções deixaram espaço para as muitas perguntas que se seguiram. Estas, moderadas por Marta Lourenço, incidiram em diversos assuntos, desde a forma de ver a azulejaria durante o Estado Novo e na actualidade, as temáticas representadas nos azulejos modernistas ou a produção de azulejaria actualmente.

Por fim, a Marta leu uma pergunta que um dos nossos leitores deixou no blogue. Veja uma síntese da resposta.

_____________________________________________________

The AzLab Art & Architecture started, as the previous one, with presentations from the guests, focusing the relationship between architects and artists and the work of art. Ana Pascoal addressed the patrimony integrated in the architecture, in the context of the research she has been developing concerning the buildings of the University of Lisbon, designed by Pardal Monteiro. She presented some examples of azulejos, from the time of the construction of the University campus, and also from other periods such as the azulejos of the “Castelinho” – building of the nineteenth century of the Faculty of Pharmacy, and other azulejos, from more recent periods, in the Faculties of Science and Law.

Ana Almeida outlined a brief history of azulejo in the second half of the twentieth century, highlighting how the ceramic works were articulated, or not, with the architecture, their influences and differences in the design of the 1950s azulejo to the present. All these aspects were illustrated with examples. Both presentations led to multiple questions. Moderated by Marta Lourenço, these questions were focused on several topics – how azulejos were perceived during the Estado Novo and currently, themes represented in modernist azulejos and the currently azulejo production.

Finally, Marta read a question from one of our readers. You can find the answer.

Ao longo das últimas semanas temos recebido alguns comentários ao AzLab e várias sugestões, que muito agradecemos. Uma sugestão importante, e que passaremos a seguir já na próxima sessão, é a de clarificar, na divulgação e principalmente no próprio blogue, que é possível fazer perguntas no blogue/por e-mail, para serem respondidas na sessão presencial. O moderador escolhe algumas dessas questões, articulando as mesmas com as intervenções da assistência. As perguntas e uma síntese das respostas serão publicadas no blogue.
Outra sugestão prende-se com a possibilidade de fazer uma síntese que, no blogue, funcionasse como memória das apresentações e do debate. Queremos que o blogue seja, cada vez mais, um espaço de debate e que, quem esteve nas sessões, possa acrescentar comentários à nossa “acta”. Por isso aqui fica um breve resumo do que se passou em Janeiro.

O AzLab Azulejo & Coleccionismo teve início com apresentações de cada um dos convidados. Feliciano David começou por contar a história da formação da sua colecção e, depois, António Miranda falou sobre o Museu da Cidade abordando alguns dos seus espólios, e referindo-se ainda à sua própria colecção de cerâmica. Houve algumas perguntas da assistência que, juntamente com a moderação de Alexandre Pais e na sequência da intervenção de António Miranda, conduziram o debate no sentido da ideia do coleccionismo como uma obsessão, e onde não faltaram referências a Hitchcock.
As imagens da sessão foram publicadas no facebook do Az Infinitum e houve um comentário do Professor Vítor Serrão, que transcrevemos: “Foi uma excelente sessão, muito esclarecedora, com a moderação de Alexandre Pais e os testemunhos de Feliciano David e António Miranda, sobre as colecções de azulejo e cerâmica e, de modo mais lacto, sobre o coleccionismo em Portugal. Estes painéis-debate prometem!”.

_____________________________________________________

Over the past few weeks we have received several comments and suggestions to AzLab, that we truly appreciate. An important suggestion, which we will follow on the next session, is to clarify (in the dissemination and mainly on the blog) that you can ask questions on the blog or by email. The moderator will choose some of these questions to be answered during the live session. The questions and a summary of the answers will be posted on the blog.
Another proposal relates to the possibility of making a synthesis which, on the blog, will work as a memory of the presentations and of the following discussion. More and more, we want the blog to be a place for debate where who were present in the sessions can add comments to our “records”. And here is a brief summary of what happened in January.

The AzLab Azulejo & Collections started with presentations of the guests. Feliciano David began to tell the story of his collection and Antonio Miranda spoke about the Lisbon City Museum addressing some of its collections, mentioning  also his own ceramic collection. There were some questions from the audience which, together with the moderation of Alexandre Pais and following the intervention of Antonio Miranda, led the discussion towards the idea of collecting as an obsession, and there were no lack of references to Hitchcock!
Photos of the session were published in the Az Infinitum facebook and there was a comment from Professor Vítor Serrão, that we transcribe here: “It was a great session, very enlightening, with the moderation of Alexandre Pais and the testimonies of Feliciano David and Antonio Miranda, on collections of azulejo and ceramic and, in a wider view, on collecting in Portugal. These debate-panels are promising”.

ARTE & ARQUITECTURA

26 de Fevereiro de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

Azulejo e Arquitectura
A especificidade do Azulejo como modalidade artística maior do Património português ao longo dos séculos da Idade Moderna e Contemporânea, afirmou-se (e continua a afirmar-se) com especial originalidade, através da sua articulação cenográfica com as formas e espaços da Arquitectura. As fachadas revestidas de azulejaria, tanto de padronagem como de figuração, assim como os espaços intestinos das casas residenciais, as escadarias urbanas, as câmaras palatinas, as capelas e oratórios domésticos, os pátios, os bancos de jardim, e outros lugares de vivência social, testemunham as vitalidades de um diálogo inesgotável entre linhas construtivas e formas cerâmicas, sem paralelo noutros contextos culturais fora das fronteiras do chamado “mundo português”. Essa sublime expressão dialogal, que tira partido dos efeitos cromáticos e das variáveis matizes lumínicas, afeiçoa este gosto português pelas linguagens sui generis, que são em absoluto originais e ousadas, no modo como, através dela, atenua as fronteiras tradicionais entre a arte erudita e as artes vernáculas, transformando-as em jogos de simbiose especialmente encantadores.

Trata-se de um património único pela sua diversidade e quantidade, posto que ameaçado, muitas vezes, pela insensibilidade das tutelas e das intervenções construtivas, o que justifica um esforço acrescido de estudo sistemático, de inventariação exaustiva, de cuidados preventivos e de salvaguarda – tal como, há muito tempo já, era  defendido por especialistas como Santos Simões, Mário Barata, Dora Alcântara, Irisalva Moita, José Meco, e vários outros estudiosos das fachadas. Os recentes estudos de Ana Almeida neste campo, explorando a intimidade das relações entre a arquitectura e o azulejo ao nível do projecto, abre um caminho significativo para se definirem melhor os processos construtivos e decorativos e se perceberem estas opções estéticas, que falam em português. Estas arquitecturas com azulejo expressam numa linguagem de múltiplas originalidades, que se repete em incontáveis variantes pelos espaços do “mundo português”. O olhar sobre este património plural conjuga-se com a abordagem de Ana Mehnert Pascoal, no seu livro «A cidade do saber», onde estuda o património artístico integrado nos edifícios projectados por Porfírio Pardal Monteiro para a Cidade Universitária de Lisboa entre 1934 e 1961, com ênfase aos revestimentos de azulejo por artistas contemporâneos como Hein Semke, Fred Kradolfer, Querubim Lapa ou Jorge Barradas.

Vítor Serrão    | Director do ARTIS – Instituto de História da Arte (FLUL) e da RTEACJMSS |

_____________________________________________________

ART & ARCHITECTURE

February 26, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa |  room 5.2

Azulejo and Architecture
The specificity of the azulejo, century-long artistic practice in Portuguese heritage, throughout the modern and contemporary eras, has stood out (and still stands out) with remarkable originality in its scenic articulation with Architecture’s forms and spaces. Tile-covered façades, both figurative and patterned, as well as the inner rooms of private houses, urban stairwells, palace chambers, domestic chapels and oratories, courtyards, park benches and other settings of social life bear witness to the vividness of an endless dialogue between built shapes and ceramic motifs, unparalleled in other cultural contexts outside the so-called “Portuguese world”. This sublime dialogic expression, profiting from chromatic effects and variable luminous nuances, helps shape the Portuguese proneness to sui generis forms of language, undoubtedly original and daring, and dilutes the frontiers traditionally set between erudite and vernacular art, turning them into a symbiotic interplay of outstanding charm.

This kind of heritage, although unique for its diversity and quantity, is often jeopardised by the insensitivity of governing entities and construction campaigns, which calls for an increased effort in its systematic study, thorough inventory, preventive care and safeguard – as has been claimed, for a long time, by experts such as Santos Simões, Mário Barata, Dora Alcântara, Irisalva Moita, José Meco, and various other façade historians. The recent work by Ana Almeida, exploring the intimate relationship between the use of azulejos and architectural design, during the project phase, paves the way to a closer definition of these constructive and decorative processes, as well as to the overall aesthetic options they resort to, which speak in Portuguese. This kind of solutions makes use of a language that incorporates several original features, repeated in countless variants throughout the “Portuguese world”.

The focus on this multi-layered heritage is also present in an approach by Ana Mehnert Pascoal, in her book “A cidade do saber”, which deals with the artistic heritage integrated in the buildings designed by Porfírio Pardal Monteiro for the campus of the University of Lisbon, between 1934 and 1961. The work highlights the building surfaces covered with azulejos, designed by contemporary artists such as Hein Semke, Fred Kradolfer, Querubim Lapa or Jorge Barradas. 

Vítor Serrão    | Director of ARTIS – Instituto de História da Arte (FLUL) and RTEACJMSS |

ARTE & ARQUITECTURA

26 de Fevereiro de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

Convidados:
Ana Pascoal [Museu Nacional de História Natural e da Ciência – UL]
Ana Almeida [Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL]

Moderador:
Marta Lourenço [Museu Nacional de História Natural e da Ciência – UL]

Ana Pascoal
Bolseira BGCT financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia no Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC-UL), desde 2011. É licenciada em História da Arte (2008) pela Faculdade de Letras, e Mestre em Arte, Património e Teoria do Restauro (2011) pela mesma instituição. A sua dissertação, sobre o património artístico integrado nos edifícios de Pardal Monteiro na Cidade Universitária de Lisboa, foi publicada em 2012 pela Universidade de Lisboa. Foi bolseira do Centenário da Universidade de Lisboa (2010-2011), integrando o grupo de levantamento do património histórico da Universidade. Tem desenvolvido investigação sobre património universitário, particularmente artístico e arquitectónico, tendo participado em diversas conferências e publicado artigos.

Ana Almeida
Doutoranda em História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa – UL) com o tema Cerâmica de autor para integração arquitectónica nas décadas de 1950 e 1960. É investigadora da Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões (ARTIS-IHA/FLUL). Mestre em Museologia (Faculdade de Belas Artes-UL), licenciada em História da Arte (Faculdade Ciências Sociais e Humanas, UNL). Colaborou com o Museu Nacional do Azulejo, Instituto das Artes e Metropolitano de Lisboa. Desenvolve a sua investigação e produção científica na área da cerâmica contemporânea e a sua articulação com a arquitectura.

_____________________________________________________

ART & ARCHITECTURE

February 26, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa |  room 5.2

Invited speakers:
Ana Pascoal [Museu Nacional de História Natural e da Ciência – UL]
Ana Almeida [Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL]

Moderator:
Marta Lourenço [Museu Nacional de História Natural e da Ciência – UL]

Ana Pascoal
Ana Pascoal holds a BGCT scholarship funded by FCT to work at the Museu Nacional de História Natural e da Ciência – University of Lisbon, since 2011. She has a degree in Art History (2008) from the Faculty of Letters (UL) and a Master in Arts, Heritage and Restoration Theory (2011) from the same institution. Her dissertation on the artistic heritage integrated in architect Pardal Monteiro’s buildings for the University-city of Lisbon was published in 2012 by the University of Lisbon. Previously, she held a scholarship to work at the centennial commemorations of the University of Lisbon (2010-2011), integrating the group that surveyed the historical heritage of the University. Ana Pascoal has developed research on university heritage, particularly artistic and architectural heritage, having participated in several conferences and published articles.

Ana Almeida
PhD Student in Art History (Faculty of Letters, University of Lisbon – UL) with the theme “Ceramics for architectural integration in the 1950s and 1960s”. Ana Almeida is a researcher in the Thematic Network on the Study of Tiles and Ceramics João Miguel dos Santos Simões (ARTIS-IHA/FLUL), has a Master in Museum Studies (Faculty of Fine Arts – UL) and is graduated in Art History (Faculty Social Sciences and Humanities, UNL). She collaborated with the National Museum of Azulejos, Institute of Arts and Lisbon Underground. Ana Almeida develops her research and scientific production in the field of contemporary ceramics and its relationship to architecture.