Tendo como principal objectivo criar novas perspectivas de análise sobre questões relacionadas com o azulejo, a primeira série do AzLab, que decorreu entre Janeiro e Junho de 2014, compreendeu seis sessões: 1) Azulejo e coleccionismo; 2) Azulejo e arquitectura; 3) Rotas Culturais; 4) A exposição de Azulejos ontem e hoje; 5) A refuncionalização dos edifícios: o azulejo nos hospitais de Lisboa; e 6) Conservação e restauro de Azulejos.

Numa organização conjunta da Rede Temática João Miguel dos Santos Simões (ARTIS-Instituto de História da Arte- FLUL) e do Museu Nacional do Azulejo, esta iniciativa contou, entre oradores e moderadores, com um total de 18 intervenientes. Para além dos investigadores das entidades organizadoras, colaboraram nestas sessões professores e investigadores de outras universidades e instituições de âmbito diverso (ver no blogue os programas de cada sessão). Representaram o ARTIS Vítor Serrão, Rosário Salema de Carvalho, Ana Almeida, Patrícia Nóbrega, Teresa Silva e Clara Moura Soares. Do Museu Nacional do Azulejo marcaram presença Alexandre Pais, João Pedro Monteiro e Lurdes Esteves.

Colaboraram também nesta iniciativa investigadores de outros museus, como António Miranda, coordenador-geral do Museu da Cidade de Lisboa, e Marta Lourenço e Ana Pascoal do Museu Nacional de História Natural e da Ciência. De outras universidades estiveram Alexandra Gago da Câmara, da Universidade Aberta, e Paulo Simões Rodrigues, da Universidade de Évora. Sandra Costa Saldanha, do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja, Célia Pilão, do Centro Hospitalar de Lisboa Central e o colecionador Feliciano David foram outros dos intervenientes.

Seguindo o modelo previamente definido, após as apresentações iniciais de cerca de 10m cada, procurou dinamizar-se o debate, num ambiente informal, que fomentou o diálogo entre o público e os convidados.

Cada sessão presencial foi antecedida por algumas semanas de “discussão” no blogue AzLab, infelizmente menos profícua do que seria desejável. Em todo o caso, e muito embora os comentários e perguntas tenham sido em número reduzido, a leitura dos acessos ao blogue deixou bem claro que este é um instrumento relevante. Até à data, o blogue teve cerca de 7000 visualizações, a maioria das quais de origem portuguesa, mas com um registo significativo do Brasil, Espanha, e países de língua inglesa, o que revela, também, a importância do esforço empreendido no sentido de apresentar todos os conteúdos em inglês.

Como balanço destes seis meses de AzLab, consideramos haver um público interessado nestas matérias, o que nos motiva para uma nova série, já a partir de Outubro. Gostaríamos, todavia, de ter um maior feedback, razão pela qual convidamos todos a fazerem-nos chegar comentários e sugestões sobre aspectos positivos e sobre os que podem e devem ser melhorados.

– – – – –

Imagem: © Inês Leitão

_____________________________________________________

Having, as the main objective, the creation of new analytical perspectives on issues related to azulejo, the first series of AzLab, which took place between January and June 2014, was comprised of six sessions: 1) Azulejo & collections; 2) Art & Architecture; 3) Cultural routes; 4) Exhibiting Azulejos – Then and Now; 5) The reuse of buildings. The azulejo in Lisbon’s hospitals; 6) Conservation and Restoration of Azulejos.

Jointly organized by Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões (ARTIS-Instituto de História da Arte- FLUL) and the National Museum of Azulejo this initiative had the contribution of 18 participants (speakers and moderators). In addition to researchers from the organizing entities, these sessions had the cooperation of professors and researchers from other universities and institutions of diverse fields of study (see on the blog the programs of each session). ARTIS was represented by Vítor Serrão, Rosário Salema de Carvalho, Ana Almeida, Patrícia Nóbrega, Teresa Silva and Clara Moura Soares. From the National Museum of Azulejo attended Alexandre Pais, João Pedro Monteiro and Lurdes Esteves. 

Researchers of other museums also collaborated in this initiative, such as António Miranda, general-cordinator of the Lisbon City Museum, and Marta Lourenço and Ana Pascoal of the Museu Nacional de História Natural e da Ciência. From other universities were present Alexandra Gago da Câmara, of the Universidade Aberta, and Paulo Simões Rodrigues, of the Universidade de Évora. Sandra Costa Saldanha, of the National Secretariat for Cultural Heritage of the Church, Célia Pilão, of the Central Lisbon’s Hospital Centre and the collector Feliciano David were the other participants.

Following the previously defined model, after the initial presentations of about 10m each, it was sought to stimulate the debate in an informal setting, which fostered a dialogue between the public and the guests.

Each session was preceded by a few weeks of “discussion” in the AzLab’s blog which were, unfortunately, less prolific than desirable. In any case, although comments and questions have been few in number, reading accesses to the blog made ​​it clear that this is a relevant working instrument. To date, the blog has had nearly 7000 views, most of which of Portuguese in origin, but with a significant record from Brazil, Spain, and english-speaking countries, which also reveals the importance of the efforts made towards display all contents in english.

As a balance of these six months of AzLab, we think that it exists a public interested in these subjects, fact that motivates us to continue with a new serie, which will start next October. However, we would like to have a greater feedback, which is why we invite you to send us your comments and suggestions on positive aspects and those that can and should be improved.

– – – – –

Image: © Inês Leitão

O AzLab dedicado à Conservação e Restauro de Azulejos, teve como convidadas Lurdes Esteves e Teresa Silva, e contou com a moderação de Paulo Simões Rodrigues. A sessão começou com Lurdes Esteves, que nos apresentou a problemática da conservação e restauro de azulejos em contexto museológico. Durante a sua comunicação, tivemos oportunidade de conhecer os procedimentos que o Museu Nacional do Azulejo utiliza, desde o momento da chegada dos azulejos ao museu, em elementos cerâmicos individuais ou montados em painéis, até ao seu acondicionamento. Estes são registados fotográfica e graficamente, e preenchida a respectiva ficha, aguardando depois, pelo tratamento de conservação e, se necessário, de restauro.

Entre os trabalhos de conservação encontram-se processos como a libertação do tardoz do azulejo de argamassas e a dessalinização dos azulejos que apresentem a presença de sais. O restauro de azulejos é um trabalho mais complexo, existindo dois tipos de restauros: a frio e a quente. No final dos processos de conservação e restauro, os painéis de azulejos susceptíveis de serem expostos são montados e aplicados sobre um suporte em acrílico, ficando condicionados na vertical no depósito do museu. Esta apresentação não só foi útil para conhecermos os procedimentos actuais do MNAz, como também as mudanças que foram feitas nos mesmos e algumas das consequências que práticas anteriormente utilizadas tiveram na conservação dos azulejos.

Seguiu-se a apresentação de Teresa Silva, que nos mostrou o lado da conservação e restauro de azulejos in situ, começando pelos vários desafios que o conservador-restaurador enfrenta quando se desloca ao local para uma peritagem ou conservação, adaptando-se as diferentes condições que os sítios oferecem. Numa primeira fase, deve-se avaliar toda a envolvente e fazer um levantamento das patologias dos azulejos e o reconhecimento das suas causas. Apesar dos procedimentos de conservação e restauro, neste contexto, serem muito idênticos aos utilizados no museu, há que ter em conta um factor muito importante: o estado do imóvel e das paredes que servem de suporte ao revestimento em causa, pois isso explica as patologias apresentadas pelos azulejos.

Depois das duas apresentações, seguiu-se o período de debate que começou pela leitura de uma pergunta feita no blogue (veja aqui uma síntese da resposta), sucedida por várias perguntas colocadas sobre materiais e técnicas usadas no restauro de azulejos, como a realização de facings e desinfestações, questões de ordem ética como a execução de preenchimentos de lacunas onde se reconstroem elementos ou o restauro de um revestimento de um artista ainda vivo.

A sessão terminou com o moderador, Paulo Simões Rodrigues, a informar que as sessões do AzLab farão uma curta pausa durante o Verão, retornando no início de Outubro. Até lá, continua a seguir-nos no blogue.

_____________________________________________________

The AzLab, Conservation and Restoration of Azulejos, had as guests Lurdes Esteves and Teresa Silva, and was moderated by Paulo Simões Rodrigues. It began with Lurdes Esteves’ presentation concerning the problematic of conserving and restoring azulejos in a museological context. Also, there was the opportunity to know the procedures that the National Museum of Azulejo uses from the moment of the azulejos’ arrival at the museum, either in individual ceramic elements or fitted in panels, ending in its packaging. The azulejos are then recorded photographic and graphically with its technical specifications filled in its predefined form, waiting afterwards for treatments of conservation and, if necessary, of restoration.

Among the conservation’s works, there are methods applied to the azulejos such as the release of mortar from its masonry and its desalination. The azulejos’ restoration is a more complex work, there being two different types: a cold and a hot one. At the end of the conservation and restoration processes, the panels of azulejos likely to be exhibited are applied on a backing of acrylic and are vertically packed on the museum’s depot. This presentation was useful not only to know the current procedures of the National Museum of Azulejo, but also the changes that were made and some of the consequences that practices previously used had on the conservation of azulejos.

Teresa Silva’s presentation showed the conservation and restoration of azulejos in situ, beginning with the challenges that the curator-restorer faces when he/she goes to a site for an expert’s report or conservation, adapting himself/herself to the different conditions that the site offers. Initially, there’s an evaluation of all the surrounding, a survey of the azulejos’ pathologies and the recognition of its causes. In this context, and in spite of the conservation and restoration processes that are very much alike to the ones used in the museum, it must be taken into account a very important factor: the state of the walls which support the ceramic covering in question, because it explains the pathologies presented by the azulejos.

Both presentations were followed by a debate that started with the question posed on the blog (see here a prompt synthesis), followed by several questions concerning materials and techniques used in the azulejos’ restoration, as the realization of facings and disinfestations, ethical issues such as filling the gaps where elements are rebuilt or the restoration of a ceramic covering of a still living artist.

This session ended with the moderator, Paulo Simões Rodrigues, informing that the AzLab is making a short summer break, returning in early October. Until then, keep following us on the blog.

CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE AZULEJOS

 

18 de Junho de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

Conservação e restauro de azulejos in situ
A salvaguarda do património azulejar in situ, através da conservação e restauro, está intrinsecamente presente nas entidades competentes e na própria sociedade, permitindo que os trabalhos sejam, maioritariamente, executados e acompanhados por empresas credenciadas para o efeito.

A sensibilização dos donos de obra, quer sejam particulares (privados) ou não, para os tratamentos de conservação e restauro do património azulejar é longa, mas tem vindo a revelar-se profícua, indo no sentido das indicações dos técnicos que executam os trabalhos e/ou em articulação com as entidades fiscalizadoras.

Um tratamento de conservação e restauro in situ é, muitas vezes, abrir uma caixa de Pandora, o que requer uma actualização constante pelos técnicos, ao nível dos materiais e metodologias de tratamento a utilizar. Nunca esquecendo que um trabalho de conservação e restauro só fica completo com uma equipa pluridisciplinar. 

Teresa Silva   | Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões |

_____________________________________________________

CONSERVATION AND RESTORATION OF AZULEJOS


June 18, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Conservation and restoration of azulejos in situ
The safeguard of tile heritage in situ, through conservation and restoration procedures, is an intrinsic concern both of competent authorities and society itself, and the interventions are mostly carried out and monitored by trained companies.

Although the efforts to raise awareness to the conservation and restoration of this heritage, directed both at public and private proprietors, can sometimes be long, they have nonetheless proved successful, accommodating the advice given by the technicians responsible for the interventions and/or collaborating with the supervising authorities.

Conservation and restoration interventions in situ can sometimes amount to opening a Pandora’s box, and thus require a constant adaptation on the part of the technicians vis-à-vis the materials and methodologies used. It must not be forgotten that conservation and restoration campaigns are only complete with a multidisciplinary work team.

Teresa Silva   | Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões |

CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE AZULEJOS

18 de Junho de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

Conservação e restauro de azulejos em contexto museológico
Mediante o planeamento de exposições, os painéis de azulejo da colecção do Museu Nacional do Azulejo necessitam de ser submetidos a tratamentos de conservação e restauro. São trabalhos que requerem conhecimentos e alguma morosidade.

Ao longo de 20 anos, deparamo-nos com algumas alterações de metodologias de intervenção que são reflexo da evolução dos conhecimentos. Ao nível de produtos houve também uma evolução para a escolha de produtos mais estáveis e opção por tratamentos menos agressivos, sempre com o primeiro objetivo de “Conservar”.

Como os painéis de azulejo são para serem contemplados pelo visitante, é no Restauro Museológico que surgem os maiores desafios e cujas opções têm sido pautadas pelo papel didáctico do Museu.

 Lurdes Esteves   | Museu Nacional do Azulejo |

_____________________________________________________

CONSERVATION AND RESTORATION OF AZULEJOS


June 18, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Conservation and restoration of azulejos in a museological context  
Following exhibition planning, the tile panels from the Azulejo National Museum must undergo conservation and restoration procedures. These procedures are long and require expert knowledge.

Intervention methodologies have changed throughout the last twenty years, reflecting the evolution of knowledge. The products have also evolved, favouring more stable solutions and the choice of less aggressive treatments, always with the aim of “preserving”.

Since tile panels are meant to be admired by the visitor, museological restoration is a very challenging task, whose options have hitherto been influenced by the Museum’s didactic role.

 Lurdes Esteves   | Museu Nacional do Azulejo |