O AzLab A Exposição de Azulejos Ontem e Hoje começou, naturalmente, pela problemática relacionada com as exposições de “ontem”, apresentada por Patrícia Nóbrega que escolheu três exemplos: a “exposição de cerâmica”, realizada em 1882 e organizada por Joaquim de Vasconcelos; a “exposição ulissiponense”, de 1936, que exibia várias colecções lisboetas, incluindo a do Museu da Cidade; e aquela que foi a primeira exposição monográfica dedicada ao azulejo, a “6ª exposição temporária – Azulejos”, realizada no Museu Nacional de Arte Antiga em 1947, com obras da sua colecção. Esta última exposição, organizada segundo um discurso expositivo cronológico e com uma depuração museográfica que contratava com a ornamentação das mostras anteriores, constituiu um primeiro ensaio de um percurso que culminaria na fundação do Museu do Azulejo, mais tarde Museu Nacional do Azulejo (MNAz).

Começando onde Patrícia Nóbrega terminou, mas dando um salto cronológico para as actividades desenvolvidas pelo Museu Nacional do Azulejo (MNAz) nas últimas décadas, João Pedro Monteiro apresentou as exposições temporárias que têm sido produzidas pelo MNAz, revelando uma estratégia expositiva (de azulejo mas também de cerâmica) alicerçada em quatro grandes linhas: 1) exposições decorrentes de projectos de investigação; 2) acolhimento de exposições internacionais; 3) exposições de artistas contemporâneos e acolhimento de exposições de artistas internacionais; 4) exposições relacionadas com o património do antigo Convento da Madre de Deus. Todas estas “grandes linhas” foram ilustradas vários exemplos, e a comunicação terminou com as exposições organizadas no estrangeiro. De referir que as imagens de muitas destas mostras, assim como das exposições de ontem, têm vindo a ser disponibilizadas no blogue AzLab. Ambas as apresentações, que se complementaram numa análise de mais de um século, destacaram o carácter de património identitário português do azulejo, que estas mostras procuraram, desde o século XIX, evidenciar.

Depois das apresentações dos dois oradores, seguiu-se o período de debate (moderado por Ana Almeida) onde se discutiu a recepção das exposições por parte do público e da comunidade científica, a preocupação de divulgar e recriar o contexto original das obras, o porquê da ausência de azulejos produzidos no século XIX nas exposições antigas, as especificidades e logística de cada exposição temporária (com direito a um power point extra ilustrativo dos desafios que se colocam neste campo), a especificidade das exposições temporárias realizadas no estrangeiro e a evolução dos catálogos, e da informação neles contida, desde as primeiras exposições.

_____________________________________________________

The AzLab Exhibiting azulejos – then and now began with the problematic related to exhibitions from “then”, presented by Patrícia Nóbrega who selected three examples concerning this subject, namely the Ceramics Exhibition in Oporto’s Crystal Palace held in 1882 and organized by Joaquim de Vasconcelos; the Ulissiponense Exhibition, in 1936, which exhibited many of the lisboners collections of the time, including the one from the Museum of Lisbon; and the first monographic exhibition devoted to azulejo, the “6th temporary exhibition – Azulejos”, which took place in 1947, in the National Museum of Ancient Art. This one, with chronological, aesthetic and didactic concerns, was the first step taken of a process that would ultimately lead to the creation of the Museum of Azulejo.

Picking up where Patrícia Nóbrega ended, but giving a chronological jump to the activities of the National Museum of Azulejo (MNAz) in recent decades, João Pedro Monteiro presented the temporary exhibitions that have been produced by MNAz, revealing an expository strategy (of azulejos but also ceramic) founded in four major lines: 1) exhibitions resulting from research projects; 2) housing international exhibitions; 3) exhibitions of contemporary artists, both Portuguese and foreign; 4) exhibitions related to the heritage of the old Madre de Deus Convent, where the museum is located. All these “major trends” were illustrated by several examples, and the communication ended with the exhibitions organized abroad. Worth mentioning is that the images of many of these exhibitions as well as of the exhibitions from “then” have been released on AzLab blog. Both presentations which were complementary in an analysis of more than a century, pointed out that azulejo exhibitions (since the 19th century) emphasized the azulejo as a distinctive form of art in Portugal and the Portuguese culture.

In the debate that followed, moderated by Ana Almeida, the public and the invited speakers discussed the reception of the exhibits from the public and the scientific community, the concern to disclose and recreate the original context of the tileworks and the reason for the absence of tiles produced in nineteenth century in the exhibitions from “then”. Also part of the discussion was about the specificity and logistics problems of each temporary exhibition (with an extra power point illustrative of the challenges in this field), the specificity of temporary exhibitions held abroad and the development of the catalogs.

A EXPOSIÇÃO DE AZULEJOS ONTEM E HOJE

30 de Abril de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

A exposição de azulejos HOJE [Exposições Internacionais do MNAz]
Desde a grande exposição Azulejos apresentada na Europália 91, em Bruxelas, o Museu Nacional do Azulejo tem vindo a divulgar a azulejaria portuguesa no estrangeiro, tendo presente que se trata de uma manifestação artística que permite prestigiar e projectar a cultura portuguesa, representando-a através de uma expressão identitária de elevada qualidade.

Neste sentido, o Azulejo representou Portugal em visitas de Estado, por ocasião de visitas do Presidente da República, de efemérides, como os 500 anos da chegada ao Brasil ou por ocasião de Presidência portuguesa da União Europeia, em 2000.
Aqui ficam imagens de algumas das exposições internacionais realizadas na última década [2004-2010].

_____________________________________________________

EXHIBITING AZULEJOS – THEN AND NOW

April 30, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Exhibiting azulejos – NOW [MNAz International Exhibitions]
Ever since Europália 91’s major exhibition Azulejos, in Brussels, The Azulejo National Museum has advertised Portugal’s tile tradition abroad, conscious of its potential to promote and confer prestige to Portuguese culture, through a distinguishing art form of superior quality.

The azulejo has thus represented Portugal in many state events, namely presidential visits and notable dates, as the 500th anniversary of the Portuguese arrival in Brazil or the Portuguese presidency of the European Union, in 2000.

A EXPOSIÇÃO DE AZULEJOS ONTEM E HOJE

30 de Abril de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

A exposição de azulejos HOJE [Exposições no MNAz]
Sendo Missão do Museu Nacional do Azulejo recolher, conservar, estudar e divulgar exemplares representativos da evolução da Cerâmica e do Azulejo em Portugal, assim como divulgar o Azulejo e a Cerâmica internacionais, a organização de exposições temporárias é uma das formas de lhe dar cumprimento.

Nesse sentido, a sua estratégia expositiva orienta-se em quatro linhas principais:
1 – Organização de exposições sobre cerâmica e azulejo antigos, alicerçadas em projectos de investigação.
2 – Recepção de exposições internacionais de cerâmica e azulejo antigos
3 – Organização de exposições de artistas contemporâneos, portugueses e internacionais.
4 – Organização de exposições relacionadas com o património do antigo convento da Madre de Deus, monumento onde o Museu se encontra instalado.

Todas as exposições são acompanhadas pela edição de um catálogo, amplamente ilustrado, e contendo textos da autoria de especialistas.
Boa parte das publicações do Museu são a forma privilegiada de trazer ao conhecimento público os projectos de investigação que a instituição desenvolve.
No geral, as exposições que se debruçam sobre o Azulejo e Cerâmica antigos recorrem a peças da colecção do Museu, mas também de colecções de outras instituições públicas e de privados, e são antecedidas por um rigoroso trabalho de inventário e restauro. Os projectos museográficos têm, em anos mais recentes, sido da responsabilidade da equipa do Museu.
Aqui ficam imagens de algumas das exposições nacionais realizadas na última década.

_____________________________________________________

EXHIBITING AZULEJOS – THEN AND NOW


April 30, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Exhibiting azulejos – NOW [Exhibitions at MNAz]
Since the Azulejo National Museum’s mission is to gather, preserve, study and advertise items representative of the evolution of ceramics and the azulejo in Portugal, as well as promoting international tiles and ceramics, the organisation of temporary exhibitions is one way to achieve these goals.

Therefore, its exhibition strategy follows four main guidelines:
1- Organising exhibitions concerning ancient ceramics and tiles, grounded upon research projects.
2- Housing international exhibitions concerning ancient ceramics and azulejos.
3- Organising exhibitions of contemporary artists, both Portuguese and foreign.
4- Organising exhibitions related to the heritage of the old Madre de Deus Convent, the monument where the museum is located.

Every exhibition is accompanied by the publication of a profusely illustrated catalogue, including texts written by experts.
A considerable part of the Museum’s publications are a privileged vehicle to acquaint the public with the research projects developed by the institution.
Generally, exhibitions focused on ancient azulejos and ceramics include items from the Museum’s collection, but also from collections held by other public and private institutions. Each exhibition is preceded by a meticulous work of inventory and restoration. In recent years, museographic projects have been carried out by the Museum’s team.  

A EXPOSIÇÃO DE AZULEJOS ONTEM E HOJE

30 de Abril de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

A exposição de azulejos ONTEM
A partir do final de Oitocentos, o azulejo integrou as principais exposições de artes decorativas, assumindo um novo estatuto de objecto museológico e coleccionável. Em 1882 inaugurou, no Palácio de Cristal, no Porto, a Exposição de Cerâmica, integrando um núcleo de azulejaria autónomo, composto por azulejos provenientes de pequenos coleccionadores, do Museu do Carmo (AAP) e do arquitecto José Maria Nepomuceno. Já no século XX, em 1936, a Exposição Ulissiponense (Palácio Galveias, Lisboa) revelava preocupações museográficas de acordo com as mais modernas acepções, associando azulejos enquanto objectos museológicos e integrados no edifício. A primeira grande exposição de azulejo, com preocupações cronológicas, estéticas e didáticas e procurando afirmar a importância do azulejo no contexto português, decorreu em 1947, no Museu Nacional de Arte Antiga. Constituiu o primeiro ensaio de um processo que acabaria por conduzir à criação do Museu do Azulejo. Estas e outras exposições vão estar em destaque na próxima sessão do AzLab. Até lá, veja aqui algumas imagens antigas que mostram os diferentes aspectos destas várias exposições históricas.

_____________________________________________________

EXHIBITING AZULEJOS – THEN AND NOW

April 30, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Exhibiting azulejos – THEN
From the late 19th century onwards, the azulejo became part of the main decorative arts exhibitions, acquiring a new status as a collectible museum item. In 1882 the Ceramics Exhibition was opened in Oporto’s Crystal Palace, comprising an autonomous tile section, including azulejos from modest collectors, the Carmo Museum (AAP) and the architect José Maria Nepomuceno. Well into the 19th century, in 1936, the Ulissiponense Exhibition (Galveias Palace, Lisbon) displayed museographic concerns in line with the most modern trends, exhibiting azulejos both as museum items and architectural elements. The first major azulejo exhibition, with chronological, aesthetic and didactic concerns, aiming to reiterate the azulejo’s importance in the Portuguese context, took place in 1947, in the National Museum of Ancient Art. This was the first step of a process that would ultimately lead to the creation of the Azulejo Museum. These and other exhibitions will be highlighted in AzLab’s next session. Until then, we leave you with some old images depicting the different aspects of these historical exhibitions.

A EXPOSIÇÃO DE AZULEJOS ONTEM E HOJE

30 de Abril de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

Convidados:
João Pedro Monteiro [Museu Nacional do Azulejo]
Patrícia Nóbrega [Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL]

Moderador:
Ana Almeida [Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL]

João Pedro Monteiro
É, desde 1988, Técnico Superior do Museu Nacional do Azulejo, sendo responsável pelo Departamento de Investigação. É Licenciado em História, tem uma pós-graduação em Arte Património e Restauro e o Curso de Alta Direcção em Administração Pública do INA. Tem vindo a desenvolver projectos de investigação na área da azulejaria e faiança portuguesas que resultaram em exposições temporárias no Museu Nacional do Azulejo. Assumiu o Comissariado Científico de várias exposições em Portugal e no estrangeiro. Tem diversos artigos publicados sobre Azulejaria e Faiança portuguesas em catálogos de exposição e revistas da especialidade, em Portugal e no estrangeiro.

Patrícia Nóbrega Pereira
Investigadora, desde Março de 2009, da Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões (Artis/FLUL), onde integrou, entre outros, os projetos “Catalogação de padrões da azulejaria portuguesa” e “Inventário do Património Azulejar do Centro Hospitalar de Lisboa Central”. É mestre em Museologia pela FCSH-UNL com uma dissertação dedicada ao azulejo enquanto objeto museológico (2013). Actualmente exerce funções na área de inventário no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian. Interessa-se por azulejaria, colecionismo e inventário, tendo publicado, neste âmbito, alguns artigos em revistas científicas.

– – – – –

Foto: © Museu Oscar Niemeyer

_____________________________________________________

EXHIBITING AZULEJOS – THEN AND NOW

April 30, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | room 5.2

Invited speakers:
João Pedro Monteiro [Museu Nacional do Azulejo]

Patrícia Nóbrega [Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL]

Moderator:
Ana Almeida [Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões – ARTIS-IHA/FLUL]

João Pedro Monteiro
João Pedro Monteiro is in charge of the Research Department at National Museum of Azulejos since 1988. Graduated in History, he has a postgraduate study in Art, Heritage and Restoration and the Course of Senior Management in Public Administration from the INA. He has been developing research projects concerning the Portuguese azulejo and faience which resulted in temporary exhibitions at the National Museum of Azulejo. He was in charge of the Scientific Commission of several exhibitions in Portugal and abroad. João Pedro Monteiro authored several articles about Portuguese azulejo and Faience in national and international exhibitions’ catalogues and scientific journals.

Patrícia Nóbrega Pereira
Patrícia Nóbrega Pereira is a researcher at ARTIS-IHA/FLUL since March of 2009, where she integrated, among others, the projects “Cataloguing Portuguese tile patterns” and “Inventory and study of the tile heritage of the Central Lisbon Hospital Centre (CHLC)”. She has a Master’s degree in Museology from the FCSH-UNL with a dissertation dedicated to azulejo as a museological object (2013). Currently she works in ​inventory at the Modern Art Centre of the Calouste Gulbenkian Foundation. The areas of interest of Patrícia Nóbrega Pereira are azulejo, collecting and inventory, in which context she has authored several articles in scientific journals.

– – – – –

Photo: © Museu Oscar Niemeyer

A EXPOSIÇÃO DE AZULEJOS – ONTEM E HOJE

30 de Abril de 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa | sala 5.2

O Azulejo, sendo um revestimento de arquitecturas, só pode ser entendido, em toda a sua plenitude, enquanto património integrado. Só assim é possível entender, em profundidade, duas das suas principais características enquanto arte identitária de Portugal e da Cultura portuguesa: a forma como estrutura arquitecturas, e o modo como serviu de suporte a imaginários e narrativas, em estreita sintonia com a encomenda.
Retirado massivamente dos locais de origem a partir de finais do século XIX, o Azulejo passou também a ser um objecto museológico, integrando colecções públicas e privadas, sendo a sua exposição entendida, desde essa época e ao longo do século XX, de diferentes formas e servido objectivos diversos.
Enquanto ponto de chegada dessa tradição, o Museu Nacional do Azulejo é, nos nossos dias, o principal local onde o azulejo é salvaguardado, estudado e apresentado, quer através de uma exposição permanente, organizada cronologicamente, quer de exposições temporárias apresentadas no Museu, noutras instituições nacionais e internacionalmente, visando fazer avançar o conhecimento nesta área e dá-lo a conhecer a um público alargado.
Nesse sentido, o Azulejo, mesmo enquanto património móvel em contexto museológico, tem-se vindo a assumir, pela sua relevância identitária, como objecto privilegiado de projecção, nacional e internacional, da cultura portuguesa.
Na presente sessão haverá oportunidade de abordar as diferentes formas como o azulejo tem vindo a ser encarado, desde finais do século XIX, enquanto objecto museológico, analisando, para além de questões estritamente museográficas, estratégias de investigação e divulgação, e em que medida estas podem contribuir para devolver sentido a revestimentos cerâmicos retirados do seu espaço de origem.

– – – – –

Foto: © Museu Oscar Niemeyer

_____________________________________________________

EXHIBITING AZULEJOS – THEN AND NOW

April 30, 2014 | 18h00 | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa |  room 5.2

The Azulejo, used in the decoration of building surfaces, can only be appreciated in all its splendour as an integrated heritage. Only thus is it possible to grasp in depth two of the main features of this distinctive form of art in Portugal and the Portuguese culture: its way of structuring architectural spaces and its contribution to the creation of imaginary worlds and narratives, closely articulated with its commission.
Since the late 19th century, massive amounts of azulejos were removed from their original location and went on to become museum items, part of public and private collections. Their exhibition, since then and throughout the 20th century, has been approached in different ways and served different purposes.
As the main follower of this tradition, the National Museum of Azulejo is nowadays the chief location for the safekeeping, study and exhibition of azulejos, promoted both through the museum’s permanent exhibition, organised chronologically, and through temporary exhibitions hosted by the museum and other national and international institutions, with the aim of furthering the knowledge in this field and sharing it with a wider audience.
The azulejo has stood out, therefore, even as a portable heritage in a museological context, due to its distinctive relevance and to its privileged role in the national and international promotion of Portuguese culture.
The present session will focus on the different approaches to the azulejo as a museum item, from the late 19th century onwards. The analysis, apart from strictly museological considerations, will discuss research and advertising strategies, as well as the extent in which they can contribute to the re-contextualisation of ceramic panels removed from their original location. 

– – – – –

Photo: © Museu Oscar Niemeyer